Introdução

Um dia você acorda pela manhã, vai até um caixa automático e usa seu cartão de crédito para sacar dinheiro. Ao retirá-lo do bolso, um raio de sol bate em um pequeno selo holográfico brilhante e iridescente, com a imagem tridimensional de uma pomba. Depois você entra em uma loja de software e escolhe comprar o último jogo de ação, em cuja embalagem você vislumbra outro selo holográfico tridimensional e luminoso. Aproveitando o dia, entra em uma loja de CD’s e escolhe um, que também possui um selo holográfico. E aquele novo papel de presente prateado e cheio de brilhos de várias cores? Holográfico também. Hoje em dia é bem fácil encontrar exemplos de hologramas em nosso dia a dia. A menos de dez anos atrás, isto não era tão comum assim. Novas técnicas e a padronização de métodos de fabricação, juntamente com a procura pelos clientes, tornaram possível este novo cenário, onde cada vez mais a holografia entra em nossas vidas.

A holografia provou ser uma tecnologia viável que pode ser integrada com sucesso em diversos tipos de produtos comerciais, incluindo campanhas publicitárias, promoções de marketing, segurança contra falsificações, objetos decorativos e obras de arte. À medida que esta tecnologia se desenvolve, novas aplicações certamente surgirão para aproveitar a sua fascinante capacidade de retratar objetos tridimensionais em um plano.

HOLOGRAFIA E FOTOGRAFIA

Apesar de frequentemente comparada à fotografia, a holografia é uma técnica radicalmente diferente. A holografia é baseada em princípios óticos que não são utilizados na fotografia, e hologramas têm propriedades físicas completamente diferentes de fotografias. A única semelhança entre eles é que ambos utilizam a luz para impressionar um material fotosensível (filme). A diferença mais gritante entre um holograma e uma fotografia, é a terceira dimensão que pode ser percebida no primeiro, através da dimensão e profundidade da imagem. Quando olhamos uma fotografia, por mais que nos movamos em relação à ela, a imagem permanece fixa em um ponto de vista. Nós percebemos apenas uma imagem plana e bidimensional mostrada na superfície do papel, composta de inúmeros pontos claros e escuros que constroem a imagem. Nossa mente sabe que aquele é um ponto de vista bidimensional de uma imagem tridimensional, mas a informação 3D não é registrada na foto.

Um holograma, por sua vez, também é plano, mas a imagem registrada nele não o é. Quando olhamos para um holograma e nos movemos em relação a ele, podemos perceber claramente a profundidade tridimensional da imagem. Podemos nos colocar de modo a ver atrás dos objetos que estão na frente da imagem. Esta propriedade é chamada paralaxe e está intimamente relacionada com o processo de percepção visual. A paralaxe é definida como o deslocamento aparente de um objeto observado devido à diferença entre dois pontos de vista. Nossos dois olhos percebem pontos de vista ligeiramente diferentes, que são combinados no cérebro para nos dar a impressão de tridimensionalidade e profundidade das imagens.

Animação

Ao lado você pode ver uma animação em computação gráfica 3D, que simula o que seria visto se você mudasse o ângulo de visão de um holograma.

Um holograma grava, na realidade, uma infinidade de pontos de vista de uma imagem, permitindo que nosso cérebro reconstrua o efeito tridimensional original da mesma. Já uma fotografia, registra apenas um único ponto de vista da imagem, registrando uma imagem plana. Se você tirar duas fotografias de uma mesma cena com pontos de vista ligeiramente diferentes (usando a distância entre os dois olhos para servir de referência), é possível reconstruir uma imagem estereroscópica que dá um certo efeito 3D, mas apenas daquele ponto de vista específico, como se você estivesse olhando para um objeto tridimensional, mas sem poder se mover em relação à ele. Um holograma funciona exatamente como uma pequena janela dimensional, onde a cena é carregada junto com ele.

Outra diferença é que imagens holográficas podem ser construídas de modo que a imagem "flutue" a uma certa distância do filme, à sua frente. Uma imagem holográfica conhecida com este efeito, é um microscópio onde você precisa encaixar seu olho na ocular que sai do filme para ver um inseto ampliado. As propriedades óticas dos elementos holografados são preservadas, de modo que se você holografar uma lente frente a um texto, você verá o texto ampliado no holograma exatamente como se o estivesse observando com uma lente real. Entretanto há limites quanto à distância que um holograma pode se destacar do plano desta maneira.