Filosofia
 O cérebro holográfico
 Holocosmologia
 Conclusão

Reflexões

FILOSOFIA

Nas páginas anteriores nós tentamos desenvolver uma discussão razoável sobre as técnicas funcionais para obter hologramas para exposição de boa qualidade, com um mínimo de esforço e gastos. Nós seríamos negligentes, entretanto, se não esclarecêssemos que a holografia para exposição representa apenas uma das aplicações de um espectro holográfico mais amplo. A holografia é usada industrialmente em interferometria, em testes não-destrutivos de toda sorte de materiais e aparelhos, em visualização de fluxos, medição de contornos, avaliação de stress mecânico etc.. Nós temos microscopia holográfica e sistema holográfico de armazenamento de dados, processamento e acesso. Hologramas podem ser feitos com variados tipos de radiação, incluindo som (hologramas acústicos). Ainda que esteja longe do objetivo deste site, existe excelente informação disponível sobre estas aplicações.

Existem dois tópicos sobre holografia não-ótica, ambos ganhando popularidade, os quais nós gostaríamos de considerar brevemente. Um utiliza o modelo holográfico para descrever como o cérebro funciona, e o outro usa a teoria holográfica para estreitar a fenda existente no entendimento das interrelações entre matéria e energia no nosso conceito de universo. Ambas são de extrema importância, uma vez que possam explicar o funcionamento de sistemas fundamentais, que já tomamos como certos, de uma maneira dinâmica. O que é ainda mais excitante é que nós somos capazes de usar o que temos aprendido da holografia ótica para ajudar a entender estes processos.