Ações Emergenciais na EBA – Coronavírus

Portaria nº 013/2020/DIR/EBA-UFMG que institui a adoção de medidas gerais e implementa as ações emergenciais específicas para a EBA, diante da pandemia do COVID-19 e suspensão das atividades administrativas da UFMG de forma presencial, bem como o planejamento e execução de trabalho remoto por tempo indeterminado.

013_2020_Portaria_DIR_EBA_Covid

 

DAC lança pílulas literárias durante 8ª Semana de Saúde Mental e Inclusão Social da UFMG

Texto: Assessoria de Comunicação da Diretoria da Ação Cultural da UFMG

A Diretoria de Ação Cultural da UFMG (DAC) lança nesta segunda-feira, 18, Dia Nacional da Luta Antimanicomial, o primeiro vídeo de uma série de três pílulas literárias produzidas pelos membros do Núcleo de Criação e Pesquisa Sapos e Afogados. Formado por portadores de sofrimento mental, o grupo desenvolve pesquisa na área teatral e audiovisual desde 2003. Os vídeos publicados no canal da DAC no YouTube (www.youtube.com/culturaufmg) integram a 8ª Semana de Saúde Mental e Inclusão Social da UFMG.

Sem quebrar o distanciamento social, os atores propõem “texturas, paisagens internas, cenografias particulares, derivações sobre o tempo e o sol, abrindo o campo da voz e da palavração, redescobrindo o coração, emoldurando ficções e reinventando realidades”. Em cada vídeo, os atores compartilham fragmentos de literatura feitos durante a ocupação artística Casa Breve é o Corpo, que está sendo promovida pelo grupo nesta quarentena.

A primeira pílula, denominada Elo, já está disponível no canal. Os demais lançamentos acontecem nos dias 19 e 20, sempre às 12h30, pelo www.youtube.com/culturaufmg. A 8ª Semana de Saúde Mental e Inclusão Social da UFMG é promovida pela Rede de Saúde Mental, e acontece de 18 a 22 de maio, em plataformas online.

O Núcleo de Criação e Pesquisa Sapos e Afogados foi formado em 2002 a partir do trabalho da atriz Juliana Barreto em oficinas de teatro nos Centros de Convivência da Rede Pública de Saúde Mental de Belo Horizonte. Os atores, usuários desse serviço, atuam de maneira independente desde 2003. Nestes anos de trabalho e pesquisa, desenvolveram dois espetáculos teatrais (Caixa Preta e Duo), três curtas metragens (Sapos e Afogados, Material Bruto e Cinema de Visibilidades Íntimas), uma residência artística (Casa Breve) e inúmeras performances.

CASA BREVE é o CORPO
As pílulas literárias apresentadas a convite da Diretoria de Ação Cultural da UFMG são a primeira atividade da ocupação Casa Breve é o Corpo, promovida pelo Núcleo de Criação e Pesquisa Sapos e Afogados. Diante do contexto de distanciamento social imposto pela Covid-19, o grupo decidiu realizar a terceira edição da ocupação Casa Breve, intitulando-a Casa Corpo. A primeira edição aconteceu em 2011, a partir da ocupação artística de uma casa antiga no bairro Floresta. Em sua segunda edição, foi realizada uma residência artística de 30 dias. No último dia, a casa foi aberta para visitação pública, com uma programação de 24 horas ininterruptas. O espaço recebeu cenas de teatro, performances, concurso, shows musicais e exibição de filmes em todos os seus ambientes.

 

CASA BREVE é o CORPO – pílulas literárias por Sapos e Afogados
8ª Semana de Saúde Mental e Inclusão Social da UFMG
Estreias nos dias 18, 19 e 20 de maio – às 12h30
www.youtube.com/culturaufmg

Realização:
Núcleo de Criação e Pesquisa Sapos e Afogados
Diretoria de Ação Cultural da UFMG
Rede de Saúde Mental UFMG
Pró-Reitoria de Extensão da UFMG

Circuito Cultural UFMG lança pocket show O Close É Certo, de Rafael Ventura

Texto: Assessoria de Comunicação da Diretoria de Ação Cultural (DAC) da UFMG 

O multiartista Rafael Ventura (ator, diretor de teatro infantil e cantor de drag band) lança na próxima quarta-feira, 20 de maio, às 19h, um pocket show cênico autoral com canções e textos que dialogam com o universo queer e LGBT. O Close É Certo é o nome da apresentação virtual que estreia no canal da Diretoria de Ação Cultural da UFMG no YouTube (www.youtube.com/culturaufmg), pelo projeto Circuito Cultural UFMG.

Munido de glitter e paetê, Rafael utiliza da arte e do afeto para refletir sobre a representatividade da diversidade sexual e de gênero. “A linguagem é simples, direta, poética e não violenta. A intenção é alcançar pessoas diversas, fora da bolha e estabelecer conexões através do afeto”, afirma.

A trajetória de Ventura começou no teatro, há 12 anos. Desde que se formou no Centro de Formação Artística e Tecnológica do Palácio das Artes, ele participou de diversos espetáculos musicais da cidade. Criador e vocalista da banda drag The Pulso In Chamas, também foi cofundador dos blocos Corte Devassa e Alô, Abacaxi.

Circuito Cultural UFMG

O projeto Circuito Cultural UFMG é uma realização da Diretoria de Ação Cultural da UFMG e tem como objetivo potencializar a integração das ações artístico-culturais da universidade. Em função da pandemia, uma programação gratuita, diversificada e de qualidade, está sendo exibida no ambiente digital, promovendo o intercâmbio das expressões culturais locais e regionais com a comunidade artística e acadêmica.

A curadoria das apresentações tem em comum a proposta de revelar e valorizar os jovens talentos da cena local. Os vídeos foram produzidos pelos próprios artistas, em suas casas, respeitando-se as regras de distanciamento social recomendadas pelos órgãos de saúde. Os cinco primeiros shows virtuais já estão disponíveis no YouTube. A próxima estreia será no dia 27, com uma performance-aula de passinho feita pelas dançarinas Negona e Tiphany, do Favelinha Dance.

 

Circuito Cultural UFMG #emcasa

O Close é Certo – Apresentação virtual de Rafael Ventura

Data: 20 de maio

Horário: 19h

www.youtube.com/culturaufmg

Nova atividade do Espaço do Conhecimento UFMG oferece ao público sessões on-line de astronomia

Texto: Comunicação Institucional do Espaço do Conhecimento UFMG

A partir da próxima quinta-feira, dia 14 de maio, das 17h às 18h, o Espaço do Conhecimento UFMG oferecerá sessões on-line de astronomia, totalmente gratuitas, na nova atividade Descobrindo o Céu. A cada semana, será divulgado o link para acessar a sala de reunião, no site do museu. A participação é gratuita, mas as vagas são limitadas aos 100 primeiros que entrarem na sala virtual.

Nas sessões, será mostrado o céu de Belo Horizonte, com o apoio do software Stellarium, e o público aprenderá a localizar as constelações, as estrelas e os planetas, além de compreender melhor alguns fenômenos astronômicos e as características dos movimentos dos corpos celestes, a partir de simulações de computador. Ainda será possível interagir e tirar dúvidas, em tempo real, com a equipe do Núcleo de Astronomia do Espaço.

A ideia surgiu da vontade de oferecer sessões de astronomia a distância ao público que já frequenta o Espaço do Conhecimento e aos interessados de qualquer localidade, considerando a necessidade de distanciamento social imposta pela pandemia do novo coronavírus. Mesmo que a tela plana dos computadores não permita a reprodução da experiência de imersão das sessões de Planetário, onde é feita a reprodução do céu e exibição de filmes em um domo, ela possibilita um exercício coletivo de observação e interpretação muito rico, principalmente pelo espaço aberto à interação.

 

Descobrindo o Céu – sessões on-line de astronomia

Quando: quintas-feiras, das 17h às 18h, a partir de 14 de maio e enquanto durar o distanciamento social

Classificação: livre

Onde: informações e link de acesso: www.ufmg.br/espacodoconhecimento/descobrindooceu

Roda de samba da abolição é o próximo show do Circuito Cultural UFMG #emcasa

Texto: Assessoria de Comunicação da Diretoria de Ação Cultural (DAC) da UFMG

Tavinho Leoni tem 16 anos, mas já toca pandeiro, tamborim, triângulo, zabumba, guitarra, conga e reco-reco. Na próxima quarta, 13 de maio, às 19h, ele lança o pocket show Roda de samba da abolição, gravado especialmente para o Circuito Cultural UFMG. A apresentação estará disponível no http://www.youtube.com/culturaufmg.

No dia da Abolição da Escravatura, o jovem, que já passou pelo The Voice Kids, pretende resgatar a origem e as influências dos vários tipos de samba em um repertório especial, valorizando a história de luta dos negros e da cultura africana. Samba de breque, de roda, samba-rock, choro, canção, partido alto e gafieira e são alguns dos estilos apresentados no vídeo produzido pelo próprio artista, em sua casa, devido a pandemia de Covid-19.

“Uma forte influência dos batuques africanos, em conjunto com a linha harmônica trabalhada dos europeus e de outras culturas, compõe o que conhecemos hoje como samba”, explica. Durante o show, o rapaz pretende contar um pouco sobre o surgimento do gênero musical. “A umbigada é o termo que remetia às danças dos escravos na Bahia em seus momentos de folga. Após a abolição da escravidão, muitos saíram em direção ao Rio de Janeiro, levando consigo o samba, que geralmente era executado em casa de ‘avós, titias’, como se chamavam as matriarcas de origem africana. Um marco na história e consolidação do estilo foi o terreiro da tia Ciata, o grande reduto onde as raízes do samba germinavam e cresciam”, afirma.

Entre uma canção e outra, Tavinho também vai compartilhar um pouco das suas experiências no universo do samba. Nascido e criado em uma família de músicos, começou a cantar aos três anos de idade. Com sete já tocava violão, cavaquinho e percussão. Atualmente toca violão de sete cordas, sua grande paixão. Em 2016, ficou conhecido nacionalmente pela participação no programa The Voice Kids. Em 2017, compôs seu primeiro samba. No ano seguinte, participou do DVD da Aline Calixto, junto com Beth Carvalho e a Velha Guarda da Portela. Após tocar com vários sambistas famosos, ele se prepara para gravar seu primeiro álbum de músicas autorais e colaborações com compositores mineiros.

Circuito Cultural UFMG

O projeto Circuito Cultural UFMG é uma realização da Diretoria de Ação Cultural da UFMG e tem como objetivo potencializar a integração das ações artístico-culturais da universidade. Em função da pandemia, uma programação gratuita, diversificada e de qualidade, está sendo exibida no ambiente digital, promovendo o intercâmbio das expressões culturais locais e regionais com a comunidade artística e acadêmica.

A curadoria das apresentações tem em comum a proposta de revelar e valorizar os jovens talentos da cena local. Os vídeos foram produzidos pelos próprios artistas, em suas casas, respeitando-se as regras de distanciamento social recomendadas pelos órgãos de saúde. Quatro jovens cantoras já se apresentaram pelo projeto, durante o mês de abril. No dia 20 de maio é a vez do ator, diretor de teatro infantil e cantor de drag band, Rafael Ventura, com o show O Close É Certo. No dia 27, quem se apresenta são as dançarinas Negona e Tiffany, do Favelinha Dance.

 

Circuito Cultural UFMG #emcasa

Roda de samba da abolição – Apresentação virtual de Tavinho Leoni

Data: 13 de maio

Horário: 19h

Onde: www.youtube.com/culturaufmg

Força-tarefa da UFMG combate desinformação durante a pandemia

Além da batalha diária para oferecer tratamento aos infectados pelo novo coronavírus e para intensificar os hábitos de higiene, outro grande desafio é o combate à desinformação, causada pela divulgação e propagação de notícias falsas sobre o vírus e a Covid-19.

A fim de fornecer informações confiáveis e compreensíveis para o público sobre a pandemia, pesquisadores da UFMG criaram a Força-tarefa Amerek de combate ao coronavírus, iniciativa de divulgação científica que já conta com a colaboração de pesquisadores, jornalistas e comunicólogos de várias instituições do Brasil, assim como de outros países, como a Itália.

Em entrevista ao programa Conexões, da Rádio UFMG Educativa, nesta terça-feira, 5, o professor Yurij Castelfranchi, do Departamento de Sociologia da UFMG e um dos coordenadores do projeto, explicou que a iniciativa surgiu de curso de especialização em divulgação científica iniciado neste ano na UFMG.

“Tivemos apenas duas aulas do curso, em março, antes da suspensão das atividades da UFMG por causa da pandemia. A ideia, então, foi aproveitar o entusiasmo dessa nova jornada para produzir materiais certificados e garantidos, de qualidade, para informar contra o coronavírus”, afirmou Castelfranchi.

De acordo com ele, a iniciativa já conta com quase 50 pessoas, entre professores, alunos, profissionais de saúde e de comunicação, de entidades como a UFMG, a Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) e a Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de Minas Gerais (Fapemig), entre outras instituições de saúde, ensino, pesquisa e comunicação, de Minas Gerais e de todo o Brasil.

“Foi um desafio extraordinário. Éramos pessoas que mal nos conhecíamos e decidimos embarcar nesta jornada, de trabalhar em rede, de forma remota”, explicou Castelfranchi, que também classificou a iniciativa como “um grande sucesso”, com a adesão voluntária de profissionais de áreas variadas.

Amerek, que dá nome ao curso e, agora, à força-tarefa, é uma palavra da língua indígena Krenak, cujo significado é contato, ponte. “Justamente neste momento em que as pessoas não podem se abraçar e ter contato físico, queremos que comunicação seja uma ponte entre os grupos sociais que precisam de informação”, explicou o professor.

Os conteúdos da Força-Tarefa Amerek de combate ao coronavírus podem ser acompanhados nas redes sociais do projeto: YoutubeFacebookTwitter e Instagram. No início de abril, Yurij Castelfranchi falou sobre a iniciativa em entrevista ao Portal UFMG.

Chamada da Revista Eletrônica do Arquivo Público da Cidade de Belo Horizonte – REAPCBH

chamada da Revista Eletrônica do Arquivo Público da Cidade de Belo Horizonte (REAPCBH). A revista tem caráter científico e divulga trabalhos que tratem da cidade de Belo Horizonte, nas mais variadas áreas do conhecimento. A REAPCBH (ISSN: 2357‐8513) é indexada e possui Qualis B5. Aceitamos artigos de graduandos. Todos os artigos e propostas pedagógicas recebidas são enviadas para pareceristas que avaliam o trabalho antes da publicação.

A REAPCBH torna pública a chamada de artigos para compor o Dossiê “O patrimônio cultural em Belo Horizonte”. A proposta é trazer reflexões sobre as diferentes formas de reconhecimento do patrimônio cultural do município em suas dimensões material e imaterial. Serão aceitos artigos das várias áreas do conhecimento, que tratem da questão do patrimônio cultural na cidade e seus diversos significados: social, político, educativo, arquitetônico, natural, antropológico, histórico, dentre outros. Também serão aceitos artigos que versem sobre as metodologias utilizadas no trabalho com o patrimônio cultural.

Para além do dossiê temático, esta edição da revista também aceitará artigos que tratem de outros temas referentes à cidade de Belo Horizonte, a estudos arquivísticos e à educação patrimonial, respeitando o perfil das edições anteriores.

As submissões devem ser encaminhadas para o e-mail reapcbh.fmc@pbh.gov.br até o dia 30 de junho de 2020. Os textos devem estar de acordo com as normas editoriais da revista.

A REAPCBH é um periódico anual de caráter científico que contempla artigos, resenhas, ensaios e propostas pedagógicas de uso de documentos em sala de aula para diferentes níveis de ensino. Os trabalhos enviados para submissão devem ser inéditos. O objetivo da revista é estimular a pesquisa e a reflexão científica sobre a cidade de Belo Horizonte, bem como sobre o campo de estudos arquivísticos, além de divulgar acervos documentais de diversas instituições.

Os direitos autorais dos trabalhos publicados no periódico continuarão pertencendo aos respectivos autores, mas estes não receberão nenhuma remuneração, pois a REAPCBH não tem fins lucrativos.

Para consultar as normas editoriais da REAPCBH acesse o Portal PBH.

UFMG promove oficinas de dança através de lives

Texto: Assessoria da Escola de Educação Física, Fisioterapia e Terapia Ocupacional da UFMG

O Programa de Dança Experimental (Prodaex) da Escola de Educação Física, Fisioterapia e Terapia Ocupacional (EEFFTO) da UFMG está desenvolvendo remotamente suas atividades práticas por meio de lives no perfil do Instagram e no canal do YouTube durante esse período de quarentena. O objetivo é dar continuidade aos projetos presenciais no ambiente virtual durante o período de isolamento social, proporcionando à comunidade em suas casas oportunidades para a atividade física por meio da experimentação de ritmos e estilos de dança diferentes, de maneira orientada e criativa.

A cada semana serão desenvolvidas oficinas de ritmos (axé, funk, sertanejo universitário e pop), danças urbanas, danças orientais e forró social por meio das redes sociais do projeto de extensão do Programa de Dança Experimental da EEFFTO. As oficinas serão ministradas pelos alunos bolsistas do Prodaex. As aulas on-line estarão abertas para participações de todo público para serem realizadas em suas residências. Todas as lives serão realizadas no perfil do Instagram, mas o canal do projeto no YouTube arquivará os vídeos. As orientações para a prática das oficinas relativas às vestimentas e acessórios também serão publicadas no perfil.

Programação:

– Quartas-feiras, às 16h – Dança Oriental Experimental

– Quintas-feiras, às 15h – ritmos Axé e Funk

– Sextas-feiras, às 17h – Danças Urbanas

– Sábados, às 16h – Forró