Chamada da Revista Eletrônica do Arquivo Público da Cidade de Belo Horizonte – REAPCBH

chamada da Revista Eletrônica do Arquivo Público da Cidade de Belo Horizonte (REAPCBH). A revista tem caráter científico e divulga trabalhos que tratem da cidade de Belo Horizonte, nas mais variadas áreas do conhecimento. A REAPCBH (ISSN: 2357‐8513) é indexada e possui Qualis B5. Aceitamos artigos de graduandos. Todos os artigos e propostas pedagógicas recebidas são enviadas para pareceristas que avaliam o trabalho antes da publicação.

A REAPCBH torna pública a chamada de artigos para compor o Dossiê “O patrimônio cultural em Belo Horizonte”. A proposta é trazer reflexões sobre as diferentes formas de reconhecimento do patrimônio cultural do município em suas dimensões material e imaterial. Serão aceitos artigos das várias áreas do conhecimento, que tratem da questão do patrimônio cultural na cidade e seus diversos significados: social, político, educativo, arquitetônico, natural, antropológico, histórico, dentre outros. Também serão aceitos artigos que versem sobre as metodologias utilizadas no trabalho com o patrimônio cultural.

Para além do dossiê temático, esta edição da revista também aceitará artigos que tratem de outros temas referentes à cidade de Belo Horizonte, a estudos arquivísticos e à educação patrimonial, respeitando o perfil das edições anteriores.

As submissões devem ser encaminhadas para o e-mail reapcbh.fmc@pbh.gov.br até o dia 30 de junho de 2020. Os textos devem estar de acordo com as normas editoriais da revista.

A REAPCBH é um periódico anual de caráter científico que contempla artigos, resenhas, ensaios e propostas pedagógicas de uso de documentos em sala de aula para diferentes níveis de ensino. Os trabalhos enviados para submissão devem ser inéditos. O objetivo da revista é estimular a pesquisa e a reflexão científica sobre a cidade de Belo Horizonte, bem como sobre o campo de estudos arquivísticos, além de divulgar acervos documentais de diversas instituições.

Os direitos autorais dos trabalhos publicados no periódico continuarão pertencendo aos respectivos autores, mas estes não receberão nenhuma remuneração, pois a REAPCBH não tem fins lucrativos.

Para consultar as normas editoriais da REAPCBH acesse o Portal PBH.

Primeiro Plano promove festival de filmes gravados em isolamento social

Texto: Divulgação

O Luzes da Cidade – Grupo de Cinéfilos e Produtores Culturais, organizador do Primeiro Plano – Festival de Cinema de Juiz de Fora e Mercocidades -, vai promover, entre os dias 15 de junho e 30 de julho, a Mostra Primeiro Plano Feito em Casa. O objetivo é incentivar produtores e amantes da sétima arte a exercitar a criatividade e a imaginação durante o período de isolamento social, através da gravação de curtas nos espaços de habitação do realizador.

Os filmes – de qualquer temática – deverão ter entre 1 e 5 minutos e publicados em modo público, através do Youtube, de 4 de maio à 14 de junho com a hashtag #PPFeitoEmCasa.Todos serão publicados no canal do festival no Youtube (Luzes da Cidade – Grupo de Cinéfilos e Produtores Culturais).

O mais curtido durante o período da mostra será premiado em R$ 500, além de ser incluído na abertura do Primeiro Plano 2020, que, a princípio, ocorrerá em novembro.

De acordo com a integrante do Luzes da Cidade e organizadora da Mostra Primeiro Plano Feito em Casa, Marília Lima, a proposta é primeiramente ajudar as pessoas nesse estado de isolamento a passar por isso de uma maneira mais leve “Dar a elas, ao menos, uma sensação de estabilidade em um momento de imprevisibilidade diante do presente e do futuro. Além disso, incentivar a realização cinematográfica de forma criativa em um quadro de limitação, demonstrando que é possível fazer cinema mesmo frente a tanta adversidade.”

O edital completo com o regulamento está disponível no site www.primeiroplano.art.br/site

Revista da UFMG #27: chamada de artigos, tema Desastres

Texto: Divulgação

V. 27, n. 2, maio/ago. 2020
Tema: Desastres
Prazo para submissão: até 15 de maio de 2020


Desastres
é o tema central do próximo número da Revista da UFMG, para o qual convidamos interessados e interessadas para submeter contribuições. 

Em menos de cinco anos, ocorreram dois grandes desastres no Estado de Minas Gerais/Brasil com consequências que alcançaram outras regiões do país, devido a rompimento de barragens de mineradoras. Em 2015, a barragem de Fundão de propriedade da Samarco/Vale e BHP Billiton rompeu-se, em Bento Rodrigues, distrito de Mariana; em 2019, foi a barragem da Empresa Vale localizada na cidade de Brumadinho. Nessas duas situações os impactos sociais, humanos, na saúde, ambientais, econômicos foram de grande escala, ainda que não tenham sido totalmente mensurados. Ambos os desastres mobilizaram instituições governamentais e não governamentais, da justiça, universidades, movimentos sociais, agências internacionais.

Essas e outras situações como o Desastre de Bhopal na Índia (1984), o de Minamata no Japão (1956),o recente vazamento de óleo no litoral do nordeste brasileiro (2019) e também os desastres naturais como enchentes, terremotos, tsunamis, e desastres ambientais resultantes do aquecimento global levantam questões importantes referentes aos modelos de desenvolvimento econômico e padrões contemporâneos de urbanização, aos direitos humanos e às políticas socioambientais, exigindo abordagem inter e transdisciplinar. Os temas e problemas relacionados a situações de Desastres são diversos assim como as perspectivas a partir das quais podem ser abordados e debatidos. É essa diversidade que pretende-se reunir nesse número da Revista da UFMG. 

Poderão ser submetidas análises teóricos-conceituais; estudos empíricos e de campo sobre os impactos de desastres tecnológicos e naturais; desastres e prevenção, preparação, resposta e reconstrução; estudos comparativos; análises sobre o papel do estado, da justiça, dos movimentos sociais, das empresas, das universidades, da mídia, etc.; perspectivas sobre reparações às populações atingidas; desastres, população vulnerável e direitos humanos; governança e desastres; conflitos socioambientais; intervenção comunitária e políticas públicas; proposições para o presente e futuro pós-desastre e outros temas afins; políticas e tecnologias para prevenção de desastres e outros.

Os artigos devem ser adequados às Normas para Publicação disponíveis no website da revista, bem como através deste, exclusivamente, devem ser realizadas as submissões, até 15 de maio/2020. Normas e submissões AQUI .