Encontros on-line do Teatro Universitário UFMG propõem escuta compartilhada de artistas latino-americanos

Durante seis noites de setembro, dias 8, 10, 14, 21, 24 e 28, o Teatro Universitário da UFMG promoverá encontros on-line dedicados a escutar os artistas que caminham e constroem a terra latino-americana. O grupo propõe se teleconectar para efetivar e exercitar a escuta, a comparticipação, conhecer e reconhecer nossas, outras e distintas vivências. Os eventos A_GIRA – WEBKintal acontecem das 19h às 21h30, e serão realizados pela plataforma Zoom. O link para acesso estará disponível no perfil Instagram do Teatro Universitário, no dia do evento.

A ação inaugura as práticas da GIRA – Grupo de Investigação e Reflexão em Arte, ligada ao Projeto de Extensão do Teatro Universitário, Produção e Memória. A GIRA é composta por artistas-pesquisadores egressos do curso técnico em teatro, e possui orientação pedagógica e artística de Fabrício Trindade e Tereza Bruzzi. “Por meio da investigação e criação em Arte, nosso desejo é reconhecer trajetórias artísticas de sujeites diversas, dissidentes e latinas, para que, a partir e com elas, possamos estabelecer nossas próprias”, afirma Trindade.

“O movimento-impulso dessa caminhada não é cronologicamente progressivo, mas espiralado, anacrônico e percorre nossas corpas para, como as árvores, fortalecermos nossas raízes permitindo que os galhos, folhas, frutos e flores se espalhem ao vento. Inspirades por Torres García ecoamos, NOSSO NORTE É O SUL!”.

Programação:

#webkintal_UM | Plataformas coletivas – pesquisar, produzir e compartilhar Arte

Data: 8 de setembro – terça-feira

Convidados: Bremmer Guimarães e Igor Leal, da Plataforma Beijo (MG); Fredda Amorim, do QUEERLOMBOS (MG); Gabi Gonçalves e Rodrigo Fidélis, do Corpo Rastreado (SP)

 

#webkintal_DOIS | Arte na cidade – invenções e intervenções em contexto urbano

Data: 10 de setembro – quinta-feira

Convidados: Ananda Santana (BA); Ani Ganzala (BA); J.Lo Borges (RJ); Viva JK (MG)

 

#webkintal_TRÊS | Linguagem audiovisual – narrativas diversas na tela

Data: 14 de setembro – segunda-feira

Convidados: Belise Mofeoli (SP); Graciela Guarani (PE); Rejane Faria (MG)

 

#webkintal_QUATRO | Imagens, palavras e corpas – proposições de distintos universos

Data: 21 de setembro – segunda-feira

Convidados: Alan Costa, do Afrobapho (BA); Bobby Baq (SP); Marta Neves (MG)

 

#webkintal_CINCO | TeatroS para além do Teatro – extrapolando normatividades

Data: 24 de setembro – quinta-feira

Convidados: Ian Habib (UFBA); Ione de Medeiros, do Grupo Oficcina Multimédia (Belo Horizonte/MG); Lucélia Sérgio, d’Os Crespos (São Paulo/SP)

 

#webkintal_SEIS | Corpas, política e arte – trajetórias sudacas

Data: 28 de setembro – quinta-feira

Convidados: Ana Correa, do Grupo Cultural Yuyachkani (Peru); Sara Rojo (MG)

52º Festival de Inverno UFMG divulga programação on-line e gratuita; inscrições estão abertas

Entre os dias 14 e 23 de setembro, a UFMG promove o seu 52º Festival de Inverno. Um dos mais importantes e tradicionais eventos culturais do país se reinventa em 2020 e será realizado de forma on-line, com atividades gratuitas e abertas ao público. O Festival terá palestras, rodas de conversa e apresentações artísticas com transmissão ao vivo pelo YouTube, além de exposições virtuais e o lançamento de publicações digitais com trabalhos inéditos de pensadores brasileiros. Toda a programação está disponível no endereço: http://www.ufmg.br/festivaldeinverno.

Sob o tema Mundos possíveis: culturas em pensamento, o Festival propõe uma discussão sobre o papel e o sentido da cultura em um contexto de crise e reclusão social. Assim, a UFMG convida pensadores, filósofos, ativistas, líderes quilombolas e indígenas para o debate, durante o Seminário Culturas em Pensamento. As rodas de conversa e palestras do seminário serão transmitidas ao vivo pelo youtube.com/culturaufmg, sem necessidade de inscrição prévia. Os interessados que quiserem receber certificado, porém, devem se inscrever gratuitamente, a partir de hoje, pelo link disponível no site do evento.

Parte das atividades do Festival de Inverno está integrada ao IV Fórum Nacional de Gestão Cultural das Instituições de Ensino Superior (Forcult), que acontece entre 21 e 23 de setembro. A abertura do Fórum contará com palestra do ex-ministro da Cultura, Juca Ferreira, que discutirá O papel das universidades na construção de um sistema nacional de cultura. Dia 21, às 15h, pelo youtube.com/culturaufmg.

Atrações Culturais

O cardápio de atrações culturais do Festival de Inverno oferece ao público música, dança e performances.

A cantora Mônica Salmaso apresentará o projeto Ô de Minas, do dia 18 a 23 de setembro, em horários variados. Será uma série com seis vídeos de encontros musicais entre a cantora e os mineiros Rafael Martini, Alexandre Andrés, Davi Fonseca e Sérgio Santos. As apresentações seguem os moldes do projeto Ô de Casas, uma série de encontros musicais entre a cantora e grandes nomes da música brasileira, que a cantora vem disponibilizando desde o início da pandemia.

Também haverá apresentações do bailarino e coreógrafo Rui Moreira, no dia 16, às 21h30; e da dançarina destaque na cena contemporânea, Morena Nascimento, no dia 21, às 19h.

Nas artes cênicas, será transmitida uma apresentação teatral do ator mineiro Felipe Oládélè, no dia 17, às 21h30. Já no dia 20 de setembro, às 19h, a performer, bióloga e defensora da Amazônia, Uýra Sodoma, apresenta a performance Quintal, produzida para o Festival.

O encerramento do Festival será com a apresentação de uma performance visual, musical e de dança com Nélio Costa, Peppi Zen e Anna Maria Bosky, no dia 23 de setembro, às 18h45.

Seminário Culturas em Pensamento

O que a arte e a cultura têm a dizer sobre e para o mundo?

Nas palestras e rodas de conversa do Seminário Culturas em Pensamento, convidados especiais trocam experiências e reflexões que nos levam a sonhar outros mundos a partir do diálogo cultural. Entre os pensadores que irão discutir diferentes temas relacionados à cultura estão nomes como Kdu dos Anjos (16/9), Conceição Evaristo (17/9), Ailton Krenak (18/9), Cao Guimarães (19/9), entre outros pesquisadores, mestres da tradição, artistas e filósofos.

Entre os dias 14 e 20 de setembro, serão transmitidas, diariamente, uma palestra e uma roda de conversa, pelo canal youtube.com/culturaufmg. Os vídeos são públicos para todos que quiserem assistir, mas aqueles que fizerem a inscrição pelo site e assinarem a lista de presença disponibilizada durante a transmissão terão direito a certificado de participação. Os inscritos que participarem de 70% das atividades (dez palestras ou rodas de conversa) terão direito ao certificado do Seminário Culturas em Pensamento.

Ensaios Mundos Possíveis

Na série de Ensaios Mundos Possíveis, 18 pensadores da contemporaneidade refletem sobre a arte e a cultura sob o viés das novas realidades.

Esses pensadores produzirão textos inéditos, para o Festival, que serão distribuídos gratuitamente nas redes do evento. Posteriormente, os ensaios serão compilados no e-book Mundos Possíveis.

Os autores convidados são: Leda Martins, Cássio Eduardo Viana Hissa, Ailton Krenak, Pablo Gobira, Nilma Lino Gomes, José Jorge Carvalho, Ricardo Domeneck, Angélica Freitas, Eneida Maria de Souza, Ricardo Aleixo, Shirley Miranda, Paulo Pires do Vale (Portugal), Cao Guimarães, Kaká Werá Jecupé, Natacha Rena, Nêgo Bispo, Ana Gomes e Roger Deff. A organização do trabalho é de Fernando Mencarelli, diretor de Ação Cultural da UFMG, e Mônica Medeiros Ribeiro, diretora-adjunta de Ação Cultural da UFMG.

Revista Guaicurus – edição comemorativa de 30 anos do Centro Cultural UFMG

Inaugurado em 1989, o Centro Cultural UFMG celebrou em 2019 seus 30 anos, como um espaço que tem abrigado diferentes tendências artístico-culturais em Belo Horizonte. Para comemorar e relembrar a memória dessas três décadas, será lançada a publicação número 4 da Revista Guaicurus, cuja primeira edição é de 2014. O lançamento será no dia 20 de setembro, às 16h, com uma roda de conversa sobre os 30 anos e a edição da Revista do Centro.

Exposições

O público poderá acompanhar cinco exposições on-line associadas à programação do Festival de Inverno, além de uma mostra que projetará imagens e vídeos em prédios da cidade.

As mostras têm curadoria individuais e coletivas, com lançamento e programações ao longo do Festival.

14/9 | 21h45 – Lançamento da exposição Siwẽttêt: resistência – Na abertura do Festival ocorre o lançamento da exposição do fotógrafo e antropólogo indígena, Edgar Kanaykõ Xakriabá. A mostra reúne fotos que retratam diferentes percepções de mundo, sob a perspectiva do olhar de povos indígenas atuais. Pertencente ao povo indígena Xakriabá, Edgar é mestre em Antropologia pela UFMG e tem atuação livre na área de etnofotografia.

15/9 | 20h – Abertura da exposição de Criola – Representante da arte urbana brasileira com trabalhos na Europa e mergulhada em pautas sociais e políticas, suas pinturas e murais de grande formato tocam na ancestralidade e questionam os valores da sociedade contemporânea. Criola está desenvolvendo para o Festival de Inverno UFMG uma exposição inédita, que terá lançamento virtual no segundo dia do evento.

19/9 | 19h – Lançamento da mostra de Brígida Campbell – Professora da graduação em Artes Visuais da Escola de Belas Artes da UFMG, Brígida é outra artista que está organizando uma exposição fotográfica inédita para o Festival. Ela já participou de diversas exposições no Brasil e no exterior, incluindo trabalhos como colaboradora do Espaço Experimental de Arte, em Belo Horizonte, e como integrante do Poro, dupla com qual realizou mostras coletivas entre 2002-2016.

19/9 | 19h30 – Lançamento da mostra Universidade-Cidade – A mostra é uma proposta de diálogo, conexão, interlocução e compartilhamento entre cidadãs e cidadãos de Belo Horizonte, de modo a resgatar a urbanidade recentemente atravessada e desmaterializada pelo isolamento social. A mostra acontecerá de dezembro/2020 a fevereiro/2021, mas o público do Festival terá uma prévia, entre os dias 19 e 23 de setembro, por meio de fotos, imagens e vídeos de música e dança projetados em empenas da cidade e nas fachadas do Espaço do Conhecimento UFMG, Conservatório UFMG e Centro Cultural UFMG, além de vídeos no canal youtube.com/culturaufmg.

21/9 | 20h – Lançamento da Visita Virtual à Exposição Mundos Indígenas – Nessa exposição, o Espaço do Conhecimento UFMG apresenta ao público os modos de viver, de saber e de se cuidar dos povos Maxakali, Pataxoop, Xakriabá, Yanomami e Ye’kwana, trazendo conceitos que foram propostos por um conjunto de curadores e curadoras indígenas. Com o fechamento dos museus devido à pandemia de covid-19, as visitas à exposição foram suspensas. Diante disso, o Espaço preparou uma série de seis vídeos inéditos para propiciar ao público a experiência da visita virtual. Os vídeos ficarão disponíveis no youtube.com/culturaufmg.

Travessias – A exposição fotográfica Travessias, vinculada à programação do Festival, já está disponível para o acesso do público. A exposição busca enveredar pelos sentidos de travessias, a partir de perspectivas inspiradas pela frase de João Guimarães Rosa: “o real não está na saída nem na chegada; ele se dispõe para a gente é no meio da travessia”. As 50 fotos foram selecionadas por meio de uma chamada pública em 2019 e estão organizadas em dez séries com audiodescrição. O link para acesso é o www.travessias.art.br.

 

52º Festival de Inverno UFMG – Mundos possíveis: culturas em pensamento

14 a 23 de setembro de 2020

https://www.facebook.com/festivalufmg/

Transmissão: www.youtube.com/culturaufmg

Programação: http://ufmg.br/festivaldeinverno

Inscrições Seminário Culturas em Pensamento:

http://ufmg.br/festivaldeinverno

https://www.sympla.com.br/seminario-culturas-em-pensamento—52-festival-de-inverno-ufmg__942994

À flor da pele: apresentação de dança em formato digital é destaque no Circuito Cultural UFMG

Texto: Diretoria da Ação Cultural da UFMG

Surgido a partir de estudos de improvisação instantânea, o espetáculo de dança PlaylistA feito em CasA: À flor da pele  estreia no dia 26 de agosto, às 19h, pelo www.youtube.com/culturaufmg. A apresentação foi produzida por seis dançarinas de Belo Horizonte por meio da plataforma Zoom, e integra a programação do Circuito Cultural UFMG #emcasa. O Circuito é uma iniciativa da Diretoria de Ação Cultural da UFMG.

 

Andrea Anhaia, Ester França, Cib Maia, Joelma Barros, Márcia Neves e Marise Dinis conseguiram construir uma obra coletiva, mesmo que à distância. Reunindo-se pela internet desde abril desse ano, elas iniciaram uma empreitada ambiciosa para dar continuidade ao espetáculo  PlaylistA, de 2018. A peça explorava a improvisação em tempo real, tendo como inspiração o universo feminino e as interpelações que balizam a condição de ser mulher na atualidade.

 

Abarcando os desafios de preservar o caráter efêmero das práticas em dança em um ambiente virtual, as artistas de diferentes trajetórias profissionais passaram a se encontrar semanalmente.  “Escrevemos cartas umas para as outras e, depois disso, lemos em conjunto. A cada encontro produzimos vídeos-processos regidos pelo fluxo e pela alternância entre o que se nomeia como dança e como vídeo”, explicou Andrea Anhaia, que está concluindo o curso de licenciatura em Dança pela UFMG.

 

No exercício da escuta e interlocução, as dançarinas se dedicam a fazer de seu corpo em movimento a tradução de anseios, angústias, cansaço, solidão, coragem e esperança. Do processo improvisado de direção e edição instantânea da imagem, emergem questões, cujos sentidos estão abertos para a interpretação do público.

 

O projeto

 

As dançarinas coautoras se reuniram a convite de Andrea Anhaia e Ester França, cofundadoras e integrantes do Coletivo Movasse que, ao longo de seus 15 anos de existência, vem constituindo um repertório de trabalhos apresentados no Brasil e exterior. Assim como Andrea e Ester, Cib Maia, Joelma Barros, Márcia Neves e Marise Dinis também possuem longa atuação em Belo Horizonte. Suas carreiras abarcam a participação em grupos de dança, trabalhos solo ou, como profissionais independentes, em colaboração com outras/os artistas da cena. Juntas desde maio de 2018, sem nenhum tipo de patrocínio ou financiamento, seu principal interesse é investigar diferentes temas e estímulos e relacioná-los aos múltiplos modos e desafios de ser mulher.

 

Teatro de bonecos ganha apresentação virtual no Circuito Cultural UFMG

Texto: Comunicação da Diretoria de Ação Cultural

Um teatro de bonecos inspirado na arte oriental do Butoh e nas reflexões do período de pandemia. “Diálogos com a morte” é o primeiro trabalho realizado pela união de Carolina de Pinho e Leandro Marra, e tem estreia marcada para quarta-feira, dia 5, pelo Circuito Cultural UFMG #emcasa. A apresentação virtual terá lançamento às 19h no www.youtube.com/culturaufmg, e ficará disponível no canal para quem não puder acompanhar a estreia. A realização é da Diretoria de Ação Cultural da UFMG.

A história retrata a conversa entre uma mulher e a personalização da Morte. No diálogo, elas se questionam sobre relações íntimas entre “as mortes de si mesmas em vida e as vidas geradas por mortes”. “A morte é ainda um tema tabu em nossa sociedade que, nesse momento, tem estado extremamente presente, trazendo inúmeros questionamentos e reflexões, que motivaram a criação desse espetáculo”, explicam os criadores da peça, que foi montada durante a pandemia.

A inspiração veio de artistas e pensadores como Antonin Artaud, Friederich Nietzsche, Kazuo Ohno, Ingmar Bergman, Gonzalo Arango, Georges Bataille, dentre outros. O texto traz ainda influências do Butoh, arte dramática japonesa que mistura dança, mímicas e expressão corporal.

A arte oriental é estudada por Carolina de Pinho, doutoranda em Artes da Cena pela UFMG, onde atualmente pesquisa o Butoh de Takao Kusuno. Fora do ambiente acadêmico, ela atuou no teatro documentário Territórios (Teatro 171) e no espetáculo Variáveis Ocultas (Campanha de Popularização do Teatro e da Dança), para citar seus trabalhos mais recentes.

A direção do espetáculo é partilhada com Leandro Marra, que oferece à dramaturgia toda sua experiência de 19 anos como ator-manipulador, criador de bonecos, iluminador e fotógrafo em teatro e animação. Entre alguns de seus principais trabalhos estão as premiadas peças De banda pra lua (Grupo de Teatro Armatrux) e Som das Cores (Cia Catibrum). Ele também construiu os bonecos premiados pelo Prêmio SHELL, do espetáculo Marina (Cia Pequod).

 

Circuito Cultural UFMG #emcasa

Diálogos com a morte – Teatro de bonecos e animações

Concepção, direção e atuação: Carolina de Pinho e Leandro Marra

Estreia 5 de agosto, às 19h

www.youtube.com/culturaufmg

 

 

 

Prorrogação do período de inscrições do Prof-Artes

Considerando o contexto da pandemia ocasionada pelo Covid19; as limitações de aproximação física como prevenção ao contágio e em respeito às dificuldades e limitações de acesso à internet por pessoas interessadas, o Conselho Gestor Nacional do Prof-Artes, por meio de sua Diretoria, publica e divulga a prorrogação do período de inscrições do Prof-Artes até 21/09/2020.
O link para acesso à página do Edital na UDESC é https://www.udesc.br/ceart/profartes/editais/2020
Vejam que há algumas retificações e elas estão neste link: 3º TERMO DE RETIFICAÇÃO DO EDITAL Nº 004/2020/CEART.  https://www.udesc.br/arquivos/ceart/id_cpmenu/8823/Retifica__o_03_Edital_004_2020_Sele__o_PROFARTES_15949001345935_8823.pdf

Centro Cultural UFMG apresenta programação de filmes que abordam o envelhecimento humano

Texto: Assessoria do Centro Cultural UFMG

Neste mês, o CineCentro, projeto do Centro Cultural UFMG, sugere filmes que se debruçam sobre o envelhecimento humano, abordando-o em suas múltiplas possibilidades, dilemas e discursos cinematográficos. A seleção apresenta narrativas ficcionais de diferentes países e demostra como a representação da velhice e dos velhos nas películas cria possibilidades de contraposições de ideias preconceituosas e estigmatizações, gerando novos sentidos e significados sobre a longevidade da vida.

A sétima arte tem produzido dramas, comédias, romances, aventuras e outros gêneros que abordam temas do envelhecer, como: amizade, sexualidade, aposentadoria e trabalho, dinâmica familiar, adoecimento, luto, morte e ressignificação da vida. É um tema essencial neste momento de pandemia da covid-19, em que cresce a preocupação com os idosos. A temática também será abordada nos próximos vídeos do projeto Aulas Abertas, com falas de especialistas sobre O idoso – criatividade e entretenimento no isolamento social.

A programação do CineClássico Quarentena tem como objetivo estimular discussões educativas que permitam a produção de significados, compreensão e reflexão mais esclarecida e empática sobre o processo do envelhecimento como experiência vital de uma existência humana que está cada vez mais longeva.

Os filmes podem ser encontrados na íntegra pelo YouTube através dos links fornecidos abaixo:

Prévia da mostra: envelhecimento e cinema

13 de julho – Animação, Drama – A casa de pequenos cubinhos – (Japão, Livre, Direção: Kunio Katô, 2008, 12’).

Enquanto sua cidade é lentamente engolida pelo mar, um viúvo idoso é forçado a construir novos andares em sua casa para se manter acima da água. Quando ele acidentalmente deixa cair seu cachimbo preferido, a procura pelo objeto o faz reviver cenas de seu passado.

Link do curta: https://www.youtube.com/watch?v=jUVhV1px6js

14 de julho – Comédia, Drama, Guerra – Chá com Mussolini – (Reino Unido, Itália, 16 anos, Direção: Franco Zeffirelli, 1999, Legendado,117’).

Cinco mulheres formam um grupo excêntrico e adotam um menino italiano que pretendem transformar em um lorde inglês. Durante a Segunda Guerra Mundial suas vidas passam por mudanças e o menino, agora um rapaz, retribui o favor que elas lhe fizeram.

Link do filme:  https://www.youtube.com/watch?v=SI15yEq7i-o

16 de julho – Drama, Musical, Romance – O violinista que veio do mar – (Reino Unido, Livre, Direção: Charles Dance, 2004, Dublado, 104’).

A história de duas irmãs (Judi Dench e Maggie Smith) que salvaram um jovem violonista (Daniel Brühl) que veio do mar após um naufrágio. Mesmo com as barreiras da língua, uma estreita relação surge entre as irmãs e o estrangeiro.

Link do filme: https://www.youtube.com/watch?v=EC-bK-xWnXU

21 de julho – Comédia, Drama – O filho da noiva – (Argentina, Espanha, Livre, Direção: Juan José Campanella, 2001, Legendado, 123’).

Rafael (Ricardo Darín) está enfrentando problemas em seu restaurante e vive em crise por não dar atenção à mãe (Norma Aleandro), ao filho e à namorada (Natalia Verbeke), mas reencontra um amigo de infância (Eduardo Blanco) que o ajuda a mudar o olhar que tem sobre a vida.

Link do filme:  https://www.youtube.com/watch?v=9ixbiZknxJQ

23 de julho – Comédia, Drama – Copacabana – (Brasil, 14 anos, Direção: Carla Camurati, 2001, 90’).

Às vésperas de completar 90 anos, Alberto (Marco Nanini) vive uma crise pessoal em que recorda dos fatos mais marcantes de sua vida, todos eles de alguma forma ligados ao bairro de Copacabana. Enquanto isso, seus principais amigos preparam uma festa surpresa, dispostos a comemorar mais um aniversário de Alberto.

Link do filme: https://www.youtube.com/watch?v=qJq6Jhcl6uA

28 de julho – Comédia, Crime – Apenas o Começo – (USA, 12 anos, Direção: Ron Shelton, 2017, Dublado, 91’).

Duke (Morgan Freeman) gerencia um resort de luxo em Palm Springs, na Califórnia, que hospeda vários idosos. Sua popularidade é afetada com a chegada de um novo visitante, Leo (Tommy Lee Jones). Os dois rivalizam em tudo, até que descobrem o passado um do outro.

Link do filme: https://www.youtube.com/watch?v=cgylA4LN1hU

30 de julho – Aventura, Comedia, Drama – Nebraska – (USA, 12 anos, Direção: Alexander Payne, 2013, Dublado, 115’).

Woody Grant (Bruce Dern) é um homem idoso que acredita ter sido contemplado com um milhão de dólares após receber uma carta propaganda pelo correio. Apesar de todo o esforço dos familiares para mostrar que tudo não passa de um mal entendido, Woody é firme na decisão de seguir até o estado de Nebraska para receber seu prêmio. Sensibilizado pelo comportamento do pai, David (Will Forte), o filho mais novo, resolve embarcar e seguir com Woody rumo à fortuna imaginária.

Link do filme: https://www.youtube.com/watch?v=iko5m-Bh0HE

4 de agosto – Drama, Romance – Primavera, Verão, Outono, Inverno… e Primavera – (Coreia do Sul, Alemanha, Livre, Direção:  Ki-duk Kim, 2003, Legendado103’).

Em um pequeno monastério flutuante sobre um lago vivem um velho monge e seu jovem aprendiz. Enquanto o menino explora os arredores e se deixa levar por seus instintos e crueldades infantis, o mestre sempre está pronto para ensinar suas lições e mostra para o garoto que as consequências de pequenos atos podem durar a vida toda.

Link do filme: https://www.youtube.com/watch?v=1RbRWEdouzk

6 de julho – Drama – Histórias que só existem quando lembradas – (Brasil, Argentina, França, 12 anos, Direção: Júlia Murat, 2011, 98’).

Jotuomba é uma cidade fictícia, ambientada no Vale do Paraíba, onde nos anos 30 grandes fazendas de café foram à falência, derrubando a economia local. Madalena (Sônia Guedes), uma velha padeira, continua vivendo na cidade, ligada à memória de seu marido morto, que está enterrado no único cemitério local, hoje trancado. Sua vida começa a mudar quando Rita (Lisa E. Fávaro), uma jovem fotógrafa, chega à cidade.

Link do filme: https://www.youtube.com/watch?v=vNjaok8GKd4

 

Projeto CineCentro | CineClássico Quarentena

Terças e quintas-feiras nas Redes Sociais e Site do Centro Cultural UFMG

Facebook: https://www.facebook.com/centroculturalufmg
Instagram: https://www.instagram.com/centroculturalufmg
YouTube: https://www.youtube.com/c/CentroCulturalUFMG
Site: https://www.ufmg.br/centrocultural/

Sara Não Tem Nome e Pedro Veneroso lançam show de som e luz pelo Circuito Cultural UFMG

Texto: Diretoria de Ação Cultural

Sobrevivência dos vagalumes é o nome do show que Sara Não Tem Nome e Pedro Veneroso estreiam na próxima quarta-feira, 15 de julho, às 19h, no www.youtube.com/culturaufmg. A ação faz parte do Circuito Cultural UFMG #em casa, projeto da Diretoria de Ação Cultural da UFMG que tem lançado, semanalmente, apresentações virtuais com artistas que vêm se destacando na cena belo-horizontina.

Pedro e Sara moram juntos e prepararam um show inédito de luz e som, que conflui seus trabalhos em diversas áreas das Artes. Pedro usa circuitos eletrônicos para animar lâmpadas e criar a cenografia do show, enquanto Sara apresenta um repertório variado de suas composições. O show propõe uma imersão em uma realidade fantástica ressignificando temas e objetos cotidianos.

Sara, que também é artista visual, começou a trilhar a carreira musical em 2014. Seu primeiro álbum, Ômega III, foi bem recebido pela crítica, chegando a ganhar o Prêmio Dinamite de melhor álbum de música Pop em 2016. Considera pela imprensa uma das melhores cantoras do pop alternativo, circulou por diversos festivais de música, como a Virada Cultural de São Paulo e de Belo Horizonte, em 2017 e 2018. Em 2019, fez sua primeira turnê internacional, com shows em Portugal e na Finlândia, e foi premiada no Festival da Canção de Ouro Preto.

Pedro é doutorando em Artes, mestre com distinção em Estudos Literários e bacharel em Artes Visuais, pela UFMG. Ele investiga as interseções entre a arte, ciência e tecnologia a partir de perspectivas práticas e teóricas. Atualmente, pesquisa as aplicações dos sistemas complexos e da teoria das redes nas experiências humanas do espaço-tempo em ambientes virtuais e concretos. Participou de exposições nacionais e internacionais em instituições como o Museu de Arte Moderna do Rio, o Museu da Imagem e do Som e o Red Bull Station em São Paulo, o Museu de Arte da Pampulha e o Palácio das Artes, o Jingxi Province Museum na China, entre outros.

 

Circuito Cultural UFMG #emcasa – Sobrevivência dos vagalumes – apresentação virtual de Sara Não Tem Nome e Pedro Veneroso

Data: 15 de julho

Horário: 19h

Onde: www.youtube.com/culturaufmg