Exposição Virtual “Sobre um Tempo – Lugar”

Abrimos a exposição coletiva virtual “Sobre Um Tempo – Lugar”, coordenada pelos professores Marcelo Drummond e Brígida Campbell e organizada por artistas e alunos dos ateliês III e IV da habilitação em Artes Gráficas no Curso de Artes Visuais da UFMG. Os trabalhos apresentados transitam por diversos meios, como arte digital, desenho, colagem, vídeo arte, arte urbana e instalação.

Durante a pandemia, experimentamos a mudança no conceito do nosso lugar e da passagem de tempo. A exposição nasceu da busca de uma nova definição dos termos “tempo” e “lugar”. Buscar onde estamos quando fatiamos as camadas de tempo. A partir de quando é passado? Nós estamos no presente agora? Como podemos definir passado, presente e futuro? Cada um deu uma resposta sobre essas questões de hoje através das suas obras.

 

A exposição pode ser visitada no endereço https://sobreumtempolugar.hotglue.me


Artistas participantes:

Amanda Cristina

Antônio V. Cardoso

Jully Gyeongmi Ma

Marina Medef

Profeta

Rafael Ryuugu

Vitor Fernandes

Sobre Um Tempo – Lugar: exposição coletiva

https://sobreumtempolugar.hotglue.me  


Exposição permanente

 

52º Festival de Inverno UFMG divulga programação on-line e gratuita; inscrições estão abertas

Entre os dias 14 e 23 de setembro, a UFMG promove o seu 52º Festival de Inverno. Um dos mais importantes e tradicionais eventos culturais do país se reinventa em 2020 e será realizado de forma on-line, com atividades gratuitas e abertas ao público. O Festival terá palestras, rodas de conversa e apresentações artísticas com transmissão ao vivo pelo YouTube, além de exposições virtuais e o lançamento de publicações digitais com trabalhos inéditos de pensadores brasileiros. Toda a programação está disponível no endereço: http://www.ufmg.br/festivaldeinverno.

Sob o tema Mundos possíveis: culturas em pensamento, o Festival propõe uma discussão sobre o papel e o sentido da cultura em um contexto de crise e reclusão social. Assim, a UFMG convida pensadores, filósofos, ativistas, líderes quilombolas e indígenas para o debate, durante o Seminário Culturas em Pensamento. As rodas de conversa e palestras do seminário serão transmitidas ao vivo pelo youtube.com/culturaufmg, sem necessidade de inscrição prévia. Os interessados que quiserem receber certificado, porém, devem se inscrever gratuitamente, a partir de hoje, pelo link disponível no site do evento.

Parte das atividades do Festival de Inverno está integrada ao IV Fórum Nacional de Gestão Cultural das Instituições de Ensino Superior (Forcult), que acontece entre 21 e 23 de setembro. A abertura do Fórum contará com palestra do ex-ministro da Cultura, Juca Ferreira, que discutirá O papel das universidades na construção de um sistema nacional de cultura. Dia 21, às 15h, pelo youtube.com/culturaufmg.

Atrações Culturais

O cardápio de atrações culturais do Festival de Inverno oferece ao público música, dança e performances.

A cantora Mônica Salmaso apresentará o projeto Ô de Minas, do dia 18 a 23 de setembro, em horários variados. Será uma série com seis vídeos de encontros musicais entre a cantora e os mineiros Rafael Martini, Alexandre Andrés, Davi Fonseca e Sérgio Santos. As apresentações seguem os moldes do projeto Ô de Casas, uma série de encontros musicais entre a cantora e grandes nomes da música brasileira, que a cantora vem disponibilizando desde o início da pandemia.

Também haverá apresentações do bailarino e coreógrafo Rui Moreira, no dia 16, às 21h30; e da dançarina destaque na cena contemporânea, Morena Nascimento, no dia 21, às 19h.

Nas artes cênicas, será transmitida uma apresentação teatral do ator mineiro Felipe Oládélè, no dia 17, às 21h30. Já no dia 20 de setembro, às 19h, a performer, bióloga e defensora da Amazônia, Uýra Sodoma, apresenta a performance Quintal, produzida para o Festival.

O encerramento do Festival será com a apresentação de uma performance visual, musical e de dança com Nélio Costa, Peppi Zen e Anna Maria Bosky, no dia 23 de setembro, às 18h45.

Seminário Culturas em Pensamento

O que a arte e a cultura têm a dizer sobre e para o mundo?

Nas palestras e rodas de conversa do Seminário Culturas em Pensamento, convidados especiais trocam experiências e reflexões que nos levam a sonhar outros mundos a partir do diálogo cultural. Entre os pensadores que irão discutir diferentes temas relacionados à cultura estão nomes como Kdu dos Anjos (16/9), Conceição Evaristo (17/9), Ailton Krenak (18/9), Cao Guimarães (19/9), entre outros pesquisadores, mestres da tradição, artistas e filósofos.

Entre os dias 14 e 20 de setembro, serão transmitidas, diariamente, uma palestra e uma roda de conversa, pelo canal youtube.com/culturaufmg. Os vídeos são públicos para todos que quiserem assistir, mas aqueles que fizerem a inscrição pelo site e assinarem a lista de presença disponibilizada durante a transmissão terão direito a certificado de participação. Os inscritos que participarem de 70% das atividades (dez palestras ou rodas de conversa) terão direito ao certificado do Seminário Culturas em Pensamento.

Ensaios Mundos Possíveis

Na série de Ensaios Mundos Possíveis, 18 pensadores da contemporaneidade refletem sobre a arte e a cultura sob o viés das novas realidades.

Esses pensadores produzirão textos inéditos, para o Festival, que serão distribuídos gratuitamente nas redes do evento. Posteriormente, os ensaios serão compilados no e-book Mundos Possíveis.

Os autores convidados são: Leda Martins, Cássio Eduardo Viana Hissa, Ailton Krenak, Pablo Gobira, Nilma Lino Gomes, José Jorge Carvalho, Ricardo Domeneck, Angélica Freitas, Eneida Maria de Souza, Ricardo Aleixo, Shirley Miranda, Paulo Pires do Vale (Portugal), Cao Guimarães, Kaká Werá Jecupé, Natacha Rena, Nêgo Bispo, Ana Gomes e Roger Deff. A organização do trabalho é de Fernando Mencarelli, diretor de Ação Cultural da UFMG, e Mônica Medeiros Ribeiro, diretora-adjunta de Ação Cultural da UFMG.

Revista Guaicurus – edição comemorativa de 30 anos do Centro Cultural UFMG

Inaugurado em 1989, o Centro Cultural UFMG celebrou em 2019 seus 30 anos, como um espaço que tem abrigado diferentes tendências artístico-culturais em Belo Horizonte. Para comemorar e relembrar a memória dessas três décadas, será lançada a publicação número 4 da Revista Guaicurus, cuja primeira edição é de 2014. O lançamento será no dia 20 de setembro, às 16h, com uma roda de conversa sobre os 30 anos e a edição da Revista do Centro.

Exposições

O público poderá acompanhar cinco exposições on-line associadas à programação do Festival de Inverno, além de uma mostra que projetará imagens e vídeos em prédios da cidade.

As mostras têm curadoria individuais e coletivas, com lançamento e programações ao longo do Festival.

14/9 | 21h45 – Lançamento da exposição Siwẽttêt: resistência – Na abertura do Festival ocorre o lançamento da exposição do fotógrafo e antropólogo indígena, Edgar Kanaykõ Xakriabá. A mostra reúne fotos que retratam diferentes percepções de mundo, sob a perspectiva do olhar de povos indígenas atuais. Pertencente ao povo indígena Xakriabá, Edgar é mestre em Antropologia pela UFMG e tem atuação livre na área de etnofotografia.

15/9 | 20h – Abertura da exposição de Criola – Representante da arte urbana brasileira com trabalhos na Europa e mergulhada em pautas sociais e políticas, suas pinturas e murais de grande formato tocam na ancestralidade e questionam os valores da sociedade contemporânea. Criola está desenvolvendo para o Festival de Inverno UFMG uma exposição inédita, que terá lançamento virtual no segundo dia do evento.

19/9 | 19h – Lançamento da mostra de Brígida Campbell – Professora da graduação em Artes Visuais da Escola de Belas Artes da UFMG, Brígida é outra artista que está organizando uma exposição fotográfica inédita para o Festival. Ela já participou de diversas exposições no Brasil e no exterior, incluindo trabalhos como colaboradora do Espaço Experimental de Arte, em Belo Horizonte, e como integrante do Poro, dupla com qual realizou mostras coletivas entre 2002-2016.

19/9 | 19h30 – Lançamento da mostra Universidade-Cidade – A mostra é uma proposta de diálogo, conexão, interlocução e compartilhamento entre cidadãs e cidadãos de Belo Horizonte, de modo a resgatar a urbanidade recentemente atravessada e desmaterializada pelo isolamento social. A mostra acontecerá de dezembro/2020 a fevereiro/2021, mas o público do Festival terá uma prévia, entre os dias 19 e 23 de setembro, por meio de fotos, imagens e vídeos de música e dança projetados em empenas da cidade e nas fachadas do Espaço do Conhecimento UFMG, Conservatório UFMG e Centro Cultural UFMG, além de vídeos no canal youtube.com/culturaufmg.

21/9 | 20h – Lançamento da Visita Virtual à Exposição Mundos Indígenas – Nessa exposição, o Espaço do Conhecimento UFMG apresenta ao público os modos de viver, de saber e de se cuidar dos povos Maxakali, Pataxoop, Xakriabá, Yanomami e Ye’kwana, trazendo conceitos que foram propostos por um conjunto de curadores e curadoras indígenas. Com o fechamento dos museus devido à pandemia de covid-19, as visitas à exposição foram suspensas. Diante disso, o Espaço preparou uma série de seis vídeos inéditos para propiciar ao público a experiência da visita virtual. Os vídeos ficarão disponíveis no youtube.com/culturaufmg.

Travessias – A exposição fotográfica Travessias, vinculada à programação do Festival, já está disponível para o acesso do público. A exposição busca enveredar pelos sentidos de travessias, a partir de perspectivas inspiradas pela frase de João Guimarães Rosa: “o real não está na saída nem na chegada; ele se dispõe para a gente é no meio da travessia”. As 50 fotos foram selecionadas por meio de uma chamada pública em 2019 e estão organizadas em dez séries com audiodescrição. O link para acesso é o www.travessias.art.br.

 

52º Festival de Inverno UFMG – Mundos possíveis: culturas em pensamento

14 a 23 de setembro de 2020

https://www.facebook.com/festivalufmg/

Transmissão: www.youtube.com/culturaufmg

Programação: http://ufmg.br/festivaldeinverno

Inscrições Seminário Culturas em Pensamento:

http://ufmg.br/festivaldeinverno

https://www.sympla.com.br/seminario-culturas-em-pensamento—52-festival-de-inverno-ufmg__942994

Nova atividade do Espaço do Conhecimento UFMG oferece ao público sessões on-line de astronomia

Texto: Comunicação Institucional do Espaço do Conhecimento UFMG

A partir da próxima quinta-feira, dia 14 de maio, das 17h às 18h, o Espaço do Conhecimento UFMG oferecerá sessões on-line de astronomia, totalmente gratuitas, na nova atividade Descobrindo o Céu. A cada semana, será divulgado o link para acessar a sala de reunião, no site do museu. A participação é gratuita, mas as vagas são limitadas aos 100 primeiros que entrarem na sala virtual.

Nas sessões, será mostrado o céu de Belo Horizonte, com o apoio do software Stellarium, e o público aprenderá a localizar as constelações, as estrelas e os planetas, além de compreender melhor alguns fenômenos astronômicos e as características dos movimentos dos corpos celestes, a partir de simulações de computador. Ainda será possível interagir e tirar dúvidas, em tempo real, com a equipe do Núcleo de Astronomia do Espaço.

A ideia surgiu da vontade de oferecer sessões de astronomia a distância ao público que já frequenta o Espaço do Conhecimento e aos interessados de qualquer localidade, considerando a necessidade de distanciamento social imposta pela pandemia do novo coronavírus. Mesmo que a tela plana dos computadores não permita a reprodução da experiência de imersão das sessões de Planetário, onde é feita a reprodução do céu e exibição de filmes em um domo, ela possibilita um exercício coletivo de observação e interpretação muito rico, principalmente pelo espaço aberto à interação.

 

Descobrindo o Céu – sessões on-line de astronomia

Quando: quintas-feiras, das 17h às 18h, a partir de 14 de maio e enquanto durar o distanciamento social

Classificação: livre

Onde: informações e link de acesso: www.ufmg.br/espacodoconhecimento/descobrindooceu

Exposição virtual faz passeio pelas telas da Ópera Tiradentes no Conservatório UFMG

A Diretoria de Ação Cultural da UFMG (DAC) disponibilizou, em seu canal no YouTube (www.youtube.com/culturaufmg), uma exposição virtual que explora as 14 telas da Ópera Tiradentes, instaladas desde 1926 na Sala de Recitais do Conservatório UFMG. A iniciativa é uma ação conjunta entre o Conservatório, o Campus Cultural UFMG em Tiradentes e o Acervo Artístico UFMG, geridos pela DAC.

Os quadros foram encomendados aos pintores Antônio e Dakir Parreiras na época da inauguração do edifício, e retratam cenas inspiradas na ópera do violinista e compositor Manoel Joaquim de Macedo Júnior (1845-1925). O manuscrito da ópera, preservado na Biblioteca da Escola de Música da UFMG, contém 1192 páginas e narra a história sobre a Inconfidência Mineira, ocorrida entre os anos de 1789 a 1792.

Além de permitir o acesso ao conjunto de obras durante esse período de quarentena, o vídeo traz informações sobre as cenas da trama, que acontece em quatro atos: A Aspiração, A Conspiração, A traição e Julgamento e Patíbulo. A exposição revela detalhes sobre as obras, cruzando as imagens com as histórias do libreto e da Inconfidência. O trabalho de pesquisa e elaboração da mostra foi conduzido pela coordenadora do Acervo Artístico UFMG, Ana Panisset, a coordenadora do Campus Cultural UFMG em Tiradentes, Verona Segantini, o diretor do Conservatório UFMG, Fernando Rocha, e a servidora do Conservatório UFMG, Letícia Miranda.

História

Criado em 1925, o Conservatório Mineiro de Música (atual Conservatório UFMG) foi instalado em 1926 no prédio da avenida Afonso Pena, 1534. Neste contexto, encomendou-se ao artista Antônio Parreiras (1860/1937) uma pintura para decoração do auditório. Com a colaboração de seu filho, Dakir Parreiras (1894/1967), ele executou o conjunto de obras que conhecemos hoje: 13 telas instaladas nas paredes laterais e um painel principal, instalado no palco.

Originalmente, as telas eram fixadas à parede com a técnica de marrouflage, sendo removidas em 1965, com a reforma do prédio do Conservatório.  Permaneceram guardadas e enroladas na então Prefeitura da UFMG até o final da década de 70.  Sob a orientação do restaurador do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (IPHAN), Geraldo Francisco Xavier Filho, professores da Escola de Belas Artes da UFMG (EBA) iniciaram o processo de recuperação das pinturas. As obras receberam reentelamento à cera, chassi e moldura e foram novamente expostas na Escola de Música, em 1978.

Esse processo de restauração repercutiu na constituição do Curso de Especialização em Conservação e Restauração de Bens Culturais Móveis e, posteriormente, na criação do Centro de Conservação e Restauração de Bens Culturais Móveis (Cecor/EBA), pela professora Beatriz Coelho.  As obras retornaram ao Cecor 21 anos depois e o novo trabalho de restauração foi coordenado pela professora Anamaria Neves, envolvendo alunos do XIII Curso de Especialização em Conservação e Restauração da EBA. Em 2009, o conjunto foi registrado pelo projeto “Inventário do Acervo Artístico de Bens Móveis da UFMG”, coordenado pelo professor Fabrício Fernandino e pela conservadora-restauradora Moema Nascimento Queiroz.

 

A ópera

Boa parte do que se sabe sobre a Ópera Tiradentes foi levantada pela pesquisadora e professora da Escola de Música da UFMG, Patrícia Valadão. Em seus estudos, ela aponta que a composição de Manoel Joaquim de Macedo foi inspirada no libreto intitulado Tiradentes – Ópera Lyrica em Quatro Atos, do escritor e político Antônio Augusto de Lima (1859-1934). Em 1897, o poeta concluiu o libreto e doou uma cópia para o Arquivo Público Mineiro, do qual foi diretor, sendo também publicada na Revista do Arquivo.

A versão para canto e piano da ópera foi concluída por volta de 1908. Com o desejo de orquestra-lá, Macedo partiu para a Europa em 1909, onde participou da Exposição Universal de Bruxelas e de um concerto em benefício das vítimas das inundações de Paris. Porém, devido a 1ª Guerra Mundial, a falta de recursos e a saúde do musicista, a ópera não pode ser apresentada em sua totalidade e Macedo voltou para o Brasil em 1922. A última tentativa de apresentação da obra completa ainda em vida, se deu com a proposta de financiamento do então presidente Arthur Bernardes, o que acabou não se efetivando em virtude das condições de saúde do autor.

Em 1926, a viúva de Macedo doou o manuscrito ao Estado como forma de homenagear o compositor. No mesmo ano, trechos da obra foram executados pela Sociedade de Concertos Sinfônicos de Belo Horizonte, sob a regência de Francisco Nunes. No ano seguinte, o manuscrito foi temporariamente emprestado à Rádio Inconfidência para execução em seus programas.

Posteriormente, o manuscrito foi transferido para o Conservatório Mineiro de Música e uma cópia feita na década de 1950. Mas foi apenas em 1986 que o manuscrito foi reencontrado pela então diretora da Escola de Música da UFMG, Sandra Loureiro Reis. A ópera foi montada parcialmente em 1992, para a comemoração dos 200 anos de morte de Tiradentes. Desde então, foi reapresentada em diversos eventos na UFMG.

Museu virtual! Espaço do Conhecimento UFMG lança série de ações educativas e culturais para período de distanciamento social

Texto: Comunicação Institucional do Espaço do Conhecimento UFMG 

Se agora você não pode ir até o Espaço do Conhecimento UFMG, o museu vai até você! O Espaço está temporariamente fechado para visitação, em função da pandemia de Covid-19, mas as portas continuam abertas no ambiente virtual! Além dos conteúdos informativos e educativos publicados diariamente no Facebook, Twitter e Instagram, o museu lançou novos projetos e intensificou a produção de conteúdo para o site e o canal no Spotify. Confira as ações pensadas para o período de distanciamento social e divirta-se conosco em casa!

Gincana do Conhecimento – Voltada para todos os públicos, especialmente crianças e adolescentes, a gincana acontece de segunda a sexta-feira, no Instagram do Espaço do Conhecimento UFMG (@espacoufmg). A brincadeira virtual traz uma série de atividades, perguntas, desafios e tutoriais de brincadeiras que podem ser realizadas a distância. A cada sexta-feira, um concurso cultural premia o internauta que melhor responder à proposta daquela semana com brindes especiais do museu, que serão entregues após a reabertura.

Sábado com Libras – A ação, que acontece desde 2015, ganhou uma versão virtual. Serão publicados todos os sábados, no Facebook e Instagram do museu, vídeos gravados pela atriz e intérprete Dinalva Andrade, voltados para aqueles que se comunicam em Língua Brasileira de Sinais (Libras) ou que desejam aprender mais sobre a língua. Serão duas séries de vídeos: Cosmogonias em Libras, com conteúdos que fazem parte da exposição de longa duração do museu, Demasiado Humano, e Vocabulário em Libras, na qual serão ensinados o alfabeto em língua de sinais, além de palavras e expressões interessantes. Todos os vídeos serão disponibilizados em nosso site.

Clube do Livro Guimarães Rosa – Quem gosta de literatura brasileira não ficará de fora! A partir de 8 abril, as quartas-feiras serão preenchidas pelo estudo de obras do escritor mineiro João Guimarães Rosa. As reuniões do Clube do Livro serão on-line, das 17h às 19h, com a mediação da professora Claudia Campos Soares, da Faculdade de Letras da UFMG. Os participantes vão trocar ideias sobre um conjunto de novelas e contos do autor, ao longo do semestre. A participação é gratuita, mas as vagas são limitadas. É necessário se inscrever pelo site www.ufmg.br/espacodoconhecimento/clubedolivro. Os inscritos receberão o link de acesso por e-mail.

Blog do Espaço – O Blog do Espaço do Conhecimento UFMG já é super querido pelos amantes das ciências. A partir de abril, a periodicidade de publicações será ampliada, com dois artigos novos por semana, sempre às terças e quintas-feiras. O conteúdo é criado em parceria com os Núcleos de Astronomia e Ações Educativas do museu, e traz muitas curiosidades sobre o mundo em que vivemos.

Pílulas do Conhecimento – O Podcast do Espaço do Conhecimento no Spotify, que normalmente traz um novo episódio a cada semana, também terá sua periodicidade ampliadas para terças e quintas-feiras, a partir de abril. As Pílulas são versões dos textos do Blog do Espaço adaptadas para áudio, para você ouvir onde estiver!

Canal do Espaço no YouTube – Nele, temos uma série de vídeos com contações de histórias, making of de exposições, tutoriais de atividades educativas do nosso Calendário Astronômico e muito mais!

O Espaço do Conhecimento UFMG estimula a construção de um olhar crítico acerca da produção de saberes. Sua programação diversificada inclui exposições, cursos, oficinas e debates. Integrante do Circuito Liberdade, o museu é fruto da parceria entre a UFMG e o Governo de Minas. O Espaço está subordinado à Diretoria de Ação Cultural (DAC) da Universidade, é amparado pela Lei Federal de Incentivo à Cultura e conta com patrocínio do Instituto Unimed-BH.

Espaço Virtual – atividades on-line do Espaço do Conhecimento UFMG 

Quando: durante todo o período de distanciamento social

Classificação: livre

Onde:
Site: www.ufmg.br/espacodoconhecimento
Facebook: facebook.com/espacodoconhecimentoufmg
Twitter: twitter.com/espacoufmg
Instagram: instagram.com/espacoufmg
Spotify: https://open.spotify.com/show/4Yz02N3TBuQxVJP8Sv9Nsz
YouTube: https://www.youtube.com/user/espacoufmg

Exposição no Centro Cultural UFMG aproxima conceitos de máquina e corpo

O Centro Cultural UFMG convida para a abertura da exposição Quando a noite chegar desliguem as máquinas, do artista Lucas Ero, na sexta-feira, dia 13 de março, às 19h. A mostra reúne máquinas eróticas imaginárias e poderá ser vista até o dia 12 de abril. O evento é aberto ao público e a entrada é gratuita.

Nascido no Vale do Aço, Lucas Ero cresceu sob a fuligem de uma grande siderúrgica. A presença panóptica da usina, centro da vida da cidade de Ipatinga, sempre foi um símbolo de poder ameaçador para ele. Seu avô materno, ex-operário da siderúrgica Usiminas, trabalhou em sua construção em 1958 e sobreviveu ao Massacre de Ipatinga, de 7 de outubro de 1963, quando militares utilizaram metralhadoras contra uma manifestação grevista de funcionários da empresa. O episódio levou à emancipação da cidade, em 29 de abril de 1964, um útero industrial banhado em sangue humano que serviu de laboratório para o Golpe Militar de 64.

Em 2009, Lucas Erro abandonou o cargo de operador de máquinas na sinterização da usina para seguir como um artista visual inventor de máquinas eróticas imaginárias. Suas máquinas são humanas, sexuais, sociais, penais, solitárias, excitadas ou desinteressadas: objetos mecânicos ficcionais — de algum modo antropomórficos — que nascem da liberdade criativa do suporte bidimensional, experimentações pictóricas e conotações simbólicas. Como sondas lançadas ao abismo, fazem prospecções imagéticas de um vocabulário voltado ao lócus maquínico da contemporaneidade: dos dejetos tecnológicos ao dispêndio das carnificinas mecânicas, pulsões eróticas ou destrutivas que movem tanto as engrenagens famintas da indústria, quanto os motores de combustão do desejo humano na criação artística.

Sobre o artista
Lucas Ero é bacharel em Artes Visuais com habilitação em Desenho pela Escola de Belas Artes da UFMG (2015). Participou das residências artísticas Obras em Construção, na Casa das Caldeiras, em São Paulo (2017); Residência Camelo, na Casa Camelo, em Belo Horizonte (2016); Residência do Museu do Sexo Hilda Furacão, que ocorreu simultaneamente no circuito composto pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan), Fundação Nacional de Artes (Funarte), Casa do Conde e hotéis da Rua Guaicurus, zona boêmia de Belo Horizonte (2016) e Quimeras, ministrada pelos artistas franceses François Andes e Pascal Marquilly, no Festival Artes Vertentes, em Tiradentes/MG (2015). Participou de exposições coletivas e individuais durante sua trajetória artística, com destaque para Ainda que Eu Ande Pelo Vale do Aço da Morte, Solitária e Seres Maquinais. Recebeu o Prêmio Residência Camelo (2016) e foi indicado ao Dente de Ouro (2019).

Quando a noite chegar desliguem as máquinas
Abertura: 13 de março | às 19h
Visitação: até 12 de abril
Terças a sextas, das 10h às 21h / sábados e domingos , das 10h às 18h
Local: Centro Cultural UFMG (Av. Santos Dumont, 174, Centro
Belo Horizonte, Grande Galeria (salas 1, 2, 3 e 4)
Entrada gratuita

Patrimônio histórico e arquitetônico de São João del-Rei é foco de exposição fotográfica no Centro Cultural UFMG

Texto: Assessoria do Centro Cultural UFMG

O Centro Cultural UFMG realiza, no dia 6 de março, às 19h, a abertura da exposição Cidade Refletida, da fotógrafa Thais Andressa. A mostra reúne registros do cotidiano de São João del-Rei. As fotografias poderão ser vistas até 12 de abril, de terças a sextas-feiras, das 10h às 21h, e aos finais de semana, das 10h às 18h. Entrada gratuita.

Registros do cotidiano de São João del-Rei ganham espaço na exposição, que chama a atenção para o patrimônio histórico e para a preservação da memória da cidade tricentenária. Nesse trabalho, Thais buscou um olhar mais contemplativo e poético sobre a paisagem urbana. “Sempre tive interesse por arquitetura e história. Fotografar a cidade me permite narrar visualmente um pouco dos aspectos históricos da localidade e as transformações que acontecem no espaço”, ressalta a fotógrafa. Situada a aproximadamente 200 km da capital mineira, São João del-Rei (MG) é atrativa para turistas de diversas regiões do Brasil e do mundo.

A série Cidade Refletida tem como destaque registros feitos através de reflexos formados em poças d’água e em outras superfícies espelhadas. “As imagens que se formam, lembram-me aquarelas e, mostram um cenário que mexe com a imaginação”, declara Thais. Para o professor e historiador Augusto Leonel Ribeiro, em suas imagens, a fotógrafa consegue captar a alma, a essência, dessa cidade riquíssima em cultura, arte e religiosidade. “Seus reflexos revelam o cotidiano de uma cidade que preserva tradições e o estilo interiorano de vida, ao mesmo tempo em que avança e se dinamiza”, afirma o historiador. Serão exibidas cerca de 40 fotografias realizadas entre 2016 e 2020.

Sobre a fotógrafa
Thais Andressa é formada em Jornalismo pela Universidade Federal de São João del-Rei (UFSJ). A fotógrafa realizou exposições individuais no Centro Cultural UFSJ, no Museu Regional de São João del-Rei e no Centro Cultural Sesi Minas Ouro Preto. Entre suas principais referências na área da fotografia estão: Henri Cartier-Bresson, Vivian Maier e Francesca Woodman.

Além da fotografia, Thais atua na área de produção cultural, na cobertura de eventos artísticos e culturais, na região do Campo das Vertentes. Também se dedica à pesquisa sobre fotografia com foco no protagonismo feminino. Tem trabalhos fotográficos publicados nas revistas Mais Saúde & Bem-Estar e Mais Vertentes.

 

 

Exposição Cidade Refletida

Abertura: 6 de março | 19h

Visitação: até 12 de abril

Terças a sextas das 10h às 21h

Sábados e domingos das 10h às 18h

Local: Espaço Experimentação da Imagem do Centro Cultural UFMG  (Av. Santos Dumont, 174 – Centro, Belo Horizonte)

Entrada gratuita