Espaço do Conhecimento UFMG promove atividades on-line voltadas para a comunidade surda e para o ensino da Língua de Sinais

Texto: Comunicação Institucional do Espaço do Conhecimento UFMG

O Espaço do Conhecimento UFMG vem realizando, desde 2015, uma série de ações para entreter, engajar e compartilhar saberes com visitantes surdos ou interessados na Língua Brasileira de Sinais (Libras). São oficinas, contação de histórias e mediações realizadas todo sábado, dentro da programação do Núcleo de Ações Educativas e Acessibilidade do museu.

Com os protocolos de distanciamento social adotados em função da pandemia do novo coronavírus, os encontros presenciais foram temporariamente suspensos. Para evitar a interrupção do projeto, o Espaço do Conhecimento UFMG passou a realizar, desde o dia 28 de março, o Sábado com Libras Virtual, no Instagram, Facebook e Twitter. Por essas redes sociais, os internautas podem assistir à atriz e intérprete Dinalva Andrade contando histórias sobre as Cosmogonias, conteúdo que integra a exposição de longa duração do museu, Demasiado Humano, além de vídeos ensinando o alfabeto em Libras e termos como os verbos, os planetas e os signos.

O Espaço do Conhecimento UFMG estimula a construção de um olhar crítico acerca da produção de saberes. Sua programação diversificada inclui exposições, cursos, oficinas e debates. Integrante do Circuito Liberdade, o museu é fruto da parceria entre a UFMG e o Governo de Minas. O Espaço está subordinado à Diretoria de Ação Cultural (DAC) da Universidade, é amparado pela Lei Federal de Incentivo à Cultura e conta com patrocínio do Instituto Unimed-BH.

Sábado com Libras Virtual 

Quando: sempre aos sábados

Classificação: livre

Onde:
Facebook: facebook.com/espacodoconhecimentoufmg
Twitter: twitter.com/espacoufmg
Instagram: instagram.com/espacoufmg

Cursinho da UFMG terá aulas on-line de preparação para o Enem durante a quarentena

Texto: Samuel Resende

O Face Educa, projeto de extensão da Faculdade de Ciências Econômicas (Face) da UFMG, vai postar vídeos no YouTube com conteúdo de preparação para o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem). Durante o período de quarentena, o cursinho popular disponibilizará, a partir de hoje, 30 de março, videoaulas, aulas ao vivo e atividades de interação com os participantes.

“Estávamos com 50 alunos matriculados e uma semana de revisão de conteúdo em pleno andamento quando a quarentena começou”, conta João Pedro Panza, diretor de Comunicação do projeto.

Os vídeos serão feitos em casa, com a estrutura de que os professores dispõem. Os profissionais são os mesmos da versão presencial do curso. “Como tínhamos mais de um professor para quase todas as matérias, conseguimos garantir que ao menos um deles se sentisse confortável para gravar os vídeos”, revela João. Os alunos com matrícula presencial terão acompanhamento por monitorias on-line, por meio do WhatsApp, hangouts e e-mail. As atividades são gratuitas.

Democratização
O Face Educa nasceu em agosto de 2019 com a missão de contribuir para a democratização do acesso ao ensino superior e ajudar na transformação do Brasil. “Falamos muito sobre o poder da educação na vida das pessoas, mas na condição de universitários pouco fazemos para conceder acesso aos mais pobres que dependem exclusivamente do ensino público para se preparar para o Enem”.

O projeto conta com cerca de 20 monitores, 18 professores e 14 gestores internos, distribuídos nas áreas de marketing, financeiro, pedagógico e parcerias. Os professores e monitores são alunos formados pela UFMG na graduação ou pós-graduação.

As aulas do programa podem ser acompanhadas no canal do Face Educa no YouTube.

Pesquisadores da UFMG produzem vídeos educativos sobre o coronavírus

Texto: Assessoria de Comunicação Social e Divulgação Científica do Instituto de Ciências Biológicas da UFMG

Pesquisadores do Laboratório de Vírus do Departamento de Microbiologia UFMG se uniram e produziram uma série no YouTube com 29 conteúdos didáticos sobre o novo coronavírus. Dirigidos à população em geral, os vídeos têm duração média de um minuto e abordam temas relacionados à doença: os tipos de transmissão, como se prevenir e identificar sintomas, entre outros.

Devido à pandemia de Covid-19, os pesquisadores têm participado de diferentes formas, divulgando informações que podem contribuir para esclarecer as principais dúvidas sobre esse vírus.

Além de iniciativa de divulgação científica do Departamento, coordenada pela professora Giliane Trindade, a ação integra projeto de extensão liderado pela professora Betânia Drumond. A produção dos vídeos também conta com a colaboração dos professores Jônatas Santos e Viviane Alves. Todos estão lotados no Departamento de Microbiologia.

A playlist completa está disponível aqui.

Biblioteca da Escola de Belas Artes com atendimento remoto

Em observância à Portaria nº 013/2020/DIR/EBA-UFMG que trata das medidas emergenciais da EBA-UFMG para enfrentamento da pandemia do COVID-19, a Biblioteca da Escola de Belas Artes informa à comunidade universitária da UFMG que não realizará atendimento presencial aos usuários, até segunda ordem. O atendimento será realizado remotamente através do email bibliobelas@gmail.com, cc : bib@eba.ufmg.br

Ações Emergenciais na EBA – Coronavírus

Portaria nº 013/2020/DIR/EBA-UFMG que institui a adoção de medidas gerais e implementa as ações emergenciais específicas para a EBA, diante da pandemia do COVID-19 e suspensão das atividades administrativas da UFMG de forma presencial, bem como o planejamento e execução de trabalho remoto por tempo indeterminado.

013_2020_Portaria_DIR_EBA_Covid

 

Espetáculo de Ouro Preto vem a Belo Horizonte pela primeira vez em apresentação no Centro Cultural UFMG

Nos dias 18, 19 e 20 de março de 2020, às 19 horas, o Centro Cultural UFMG recebe o ator Frederico Contarini, da Ajayô – Teatro Em Pé, para a apresentação do solo narrativo “A.B.R.A.Ç.O.”. Ode à imaginação, a peça é embebida de risos, reflexões e emoções sobre a nossa condição humana no mundo. O espetáculo é, antes de tudo, uma experiência íntima vivida dentro de cada um de nós. A direção e dramaturgia são de Dhu Rocha. Ingressos pelo Sympla: http://bit.ly/2vKA3P6. Classificação: livre.

O espetáculo apresenta a saga de um boneco que deseja encontrar seu dono desaparecido, pois anseia lhe contar que seu filho precisa de cuidados. Apoiada na simplicidade, durante a jornada das cenas, a peça encarna uma divertida e curiosa diversidade de personagens que estão amalgamados na vida desse boneco. Ao tornar-se herói de uma mensagem para um desaparecido, o boneco inicia sua jornada em direção a um passado e um futuro que o surpreendem.

Os artistas da Ajayô – Teatro Em Pé brincam com a imaginação do público através de uma linguagem realista-fantástica. A peça entrelaça humor e emoção temperados de mineiridades e fantasias, que mergulha o público nessa rica experiência narrativa não só de um boneco, mas de sujeitos comuns de nosso dia-a-dia e seus pequenos dramas fantasmáticos.

Ficha Técnica

Dramaturgia: Dhu Rocha e Frederico Contarini
Interpretação: Frederico Contarini
Direção/ Iluminação: Dhu Rocha
Caracterização: Ajayô – Teatro Em Pé

Frederico Contarini é ator, dramaturgo e mestrando em Artes Cênicas pela Universidade Federal de Ouro Preto. Desde 2016 atua na Ajayô – Teatro em Pé com o monólogo A.B.R.A.Ç.O., espetáculo que já se apresentou em diversos locais como os teatros SESI Mariana, Casa da Ópera, Teatro Reynúncio Lima (SP), presídios (APACs), escolas, ocupações, saraus e Festivais de Teatro e de Inverno. Na graduação, o artista desenvolveu projetos de pesquisa em Performance, Expressão Corporal e Atuação, estimulada pelo surrealismo. No mestrado, realiza investigação teórica sobre a especificidade do conceito de trágico na dramaturgia latino-americana (CAPES), através da análise do drama moderno Los Pájaros se Van Con La Muerte. Atua n’A Incrível Mulher do Calcanhar Pra Trás. Participou da Entremez O Grande governador da Ilha dos Lagartos (Orquestra Ouro Preto). Recentemente foi dramaturgo em Daquele Naipe e Correnteza, em Ouro Preto. Ministra oficinas teatrais, principalmente na área da iniciação, expressão, interpretação e dramaturgia.

Dhu Rocha (Geraldo Magela Silva Rocha) é licenciado em Artes Cênicas pela Universidade Federal de Ouro Preto e bacharel em Direção Teatral pela mesma instituição. Possui mestrado em Artes Cênicas, com pesquisa na área de Pedagogia da Direção Teatral, também pela Universidade Federal de Ouro Preto. É Diretor- Fundador do Grupo de Artes Cênicas Omkara, do Grupo Ajayô – Teatro Em Pé e da Companhia de Circo Teatro “Que Tal Hoje?”. Trabalha como professor de Teatro no Atelier de Artes Integradas, órgão da Prefeitura Municipal de Itabirito, Minas Gerais. Entre seus trabalhos e pesquisas encontram-se experiências nos campos da arte-educação, direção teatral, dramaturgia, atuação e palhaçaria.