Sobre o Programa

O Programa de Pós-Graduação em Artes

O Programa de Pós-graduação em Artes da Escola de Belas Artes da Universidade Federal de Minas Gerais – UFMG, constituído pelo ciclo de estudos regulares na área de conhecimento Artes, é avaliado com o conceito 6 pela CAPES e funciona nos seguintes níveis:

  • Nível de Mestrado Acadêmico: Modalidade presencial.
  • Nível de Doutorado Acadêmico: Modalidade presencial.
  • Nível de Mestrado Profissional: Modalidade presencial.

Sites Oficiais do Programa

Segue abaixo os Sites Oficiais do Programa onde são postados os Editais dos Processos Seletivos e demais informações necessárias para a conclusão dos cursos:

 

O Mestrado e o Doutorado Acadêmicos – PPG-ARTES

O Programa de Pós-Graduação em Artes tem por finalidade: 1. Proporcionar o aprofundamento do saber em Artes; 2. Oferecer, dentro da Universidade, ambiente e recursos adequados para que se desenvolva a pesquisa na área de Artes; 3. Formar pessoal qualificado técnica e cientificamente, de alto nível, para exercer as atividades profissionais de ensino e pesquisa na área de Artes, visando ao avanço do conhecimento nesse campo, atendendo assim às demandas de desenvolvimento da sociedade; 4. Oferecer oportunidade de desenvolver a capacidade crítica, o conhecimento e a habilidade dos alunos.

O Programa de Pós-Graduação em Artes, níveis de Mestrado e Doutorado Acadêmicos, organiza-se em 6 (seis) Linhas de Pesquisa. A saber: 1. Artes da Cena; 2. Artes e Experiência Interartes na Educação; 3. Cinema; 4. Artes Plásticas, Visuais e Interartes: Manifestações Artísticas e suas Perspectivas Históricas, Teóricas e Críticas; 5. Preservação do Patrimônio Cultural; 6. Poéticas Tecnológicas.

O Mestrado Profissional em Artes – PROF-ARTES

O Mestrado Profissional em Artes – PROF-ARTES é oferecido em rede Nacional, sendo realizado simultaneamente nas Instituições Públicas de Ensino Superior denominadas de IES Associadas, nas quais ocorrem o Exame nacional de Acesso e a realização do Curso, incluindo a Universidade Federal de Minas Gerais – UFMG.

Área de Concentração – Ensino de Artes: Na formação do professor que atua na Educação Básica é indispensável o aprofundamento do seu conhecimento nos estudos voltados para os procedimentos teóricos e metodológicos relativos ao ensino, mediação e aprendizagem em artes, o que lhe possibilitará uma posição madura intelectualmente, permitindo-lhe posicionar-se frente à realidade cultural do aluno, mediante suas próprias experiências artísticas e estéticas, bem como em relação ao contexto sócio-cultural em que está inserido. Envolvendo pesquisas em diferentes procedimentos e metodologias do ensino artístico, a área de concentração Ensino de Artes propõe reunir linhas de pesquisa/atuação articuladas aos saberes, processos e práticas pedagógicas no ensino médio e fundamental, permeando estudos em diferentes concepções, sejam práticas, sejam teóricas, formais ou não formais.

Linhas de Pesquisa/Atuação: O Mestrado Profissional em Artes – PROF-ARTES organiza-se em 2 (duas) Linhas de Pesquisa. A saber: 1. Processos de ensino, aprendizagem e criação em artes; 2. Abordagens teórico-metodológicas das práticas docentes.

Para maiores informações, acesse: www.ceart.udesc.br/?id=58

Conceito CAPES

Na última avaliação quadrienal da CAPES, referente aos anos de 2013 a 2016, o PPG-Artes subiu sua classificação como conceito 6, o que expressa sua importância no cenário nacional e internacional como formador de especialistas, mestres e doutores na área de Artes.

Histórico

A Escola de Belas Artes (EBA) da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) é pioneira no ensino de Artes em Minas Gerais em nível de graduação, especialização, mestrado e doutorado. Criada em 05 de abril de 1957, inicialmente sob a forma de curso de arte na Escola de Arquitetura, posteriormente foi transformada em escola através do Decreto-Lei no. 62.317 de 28 de fevereiro de 1968, quando passou a constituir uma unidade do sistema básico da Universidade Federal de Minas Gerais.  Em 1978, a Instituição implantou o Curso de Especialização em Conservação e Restauração de Bens Culturais Móveis, único nesse nível no Brasil, desenvolvido no Centro de Restauração e Conservação (CECOR), abrindo caminho para que em 1995 fosse criado o Mestrado em Artes e que, em 2006, fosse implantado o Doutorado em Artes, completando assim o ciclo de pós-graduação da EBA/UFMG.

Durante esse período a Escola ofereceu a graduação em Belas Artes, mais tarde denominada por Artes Visuais e, em 1999, passou a abrigar também o Curso de Artes Cênicas, vinculado ao Departamento de Fotografia e Cinema, que passou a denominar-se Departamento de Fotografia, Teatro e Cinema. A vinculação a este departamento denota a afinidade existente entre as áreas envolvidas – cinema e artes cênicas – e mostra a evolução da EBA, que está constantemente em busca de novos desafios e investe continuamente no estímulo ao diálogo entre as linguagens artísticas. O caráter multidisciplinar da Escola de Belas Artes foi reforçado em 2008 com a abertura da graduação em Conservação e Restauração de Bens Culturais Móveis, com a implantação em 2009 da graduação em Cinema de Animação e Artes Digitais, da graduação em Design de Moda e com a implantação, em 2010, da graduação em Dança. O amadurecimento do projeto de implantação do curso de Dança levou à necessidade da mudança do nome do Curso de Artes Cênicas, que passou a ser denominado Curso de Teatro a partir de 2007. Está em curso a criação de um Departamento que reunirá os cursos de Teatro e Dança.

O Mestrado em Artes iniciado em 1995 sofreu reformulações em 1998, passando a ser denominado Mestrado em Artes Visuais. Em 2003, incorporou dois professores participantes da área de Artes Cênicas, ministrando aulas e como orientadores específicos. Com o crescimento contínuo da área de artes cênicas, tanto docente quanto discente, no ano de 2005 foi encaminhado à CAPES o projeto de Doutorado em Artes, propondo ainda a modificação da nomenclatura para Programa de Pós-Graduação em Artes, que pela sua maior abrangência contempla em seu novo perfil as áreas de Artes Plásticas, Conservação e Restauração, Cinema, Ensino de Arte e Artes Cênicas.

Com uma Área de Concentração em “Arte e Tecnologia da Imagem” o Programa de Pós-Graduação em Artes da EBA contou até o ano de 2005 com duas Linhas de Pesquisa, “Criação, Crítica e Preservação da Imagem” e “Criação e Crítica da Imagem em Movimento”, ambas enfocando tanto o trabalho teórico sobre arte quanto a conjugação entre teoria e práxis artística, através da produção e reflexão sobre o trabalho produzido.

Assim, até o ano de 2005, a área de Artes Cênicas esteve integrada à Linha de Pesquisa “Criação e Crítica da Imagem em Movimento”. Tendo se firmado como um importante campo de trabalho do Programa, foi criada a Linha de Pesquisa “Artes Cênicas: Teorias e Práticas”, que por estar vinculada especificamente às questões tratadas pelos seus professores passou a definir com maior rigor sua inserção no Programa, dando chance para que a área se expandisse ainda mais.

A estrutura do Programa de Pós-Graduação em Artes passou a abranger, a partir de 2006, dois níveis (Mestrado e Doutorado), na Área de Concentração Arte e Tecnologia da Imagem, que se desdobrava em três Linhas de Pesquisa: Criação, Crítica e Preservação da Imagem, Criação e Crítica da Imagem em Movimento e Artes Cênicas: Teorias e Práticas (a princípio somente para o Mestrado e a partir de 2008 também para o Doutorado), todas elas abordando o conceito de trânsito e interdisciplinaridade.

Após ampla discussão com professores e alunos no I Seminário do PPG-Artes: trajetória e novos rumos, realizado no primeiro semestre de 2014, o Colegiado elaborou uma proposta de reformulação do PPG-Artes que foi aprovada pela Câmara de Pós-graduação da UFMG em 12 de agosto de 2014.